Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Área militar do governo brasileiro demonstra desconforto com suspensão de investigação do caso Queiroz

Integrantes da área militar do governo demostraram desconforto com o pedido de suspensão da investigação para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas "atípicas" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).
Por Gerson Camarotti | G1

A avaliação de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro é que essa decisão tomada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), só faz prolongar o desgaste provocado pelo caso.

O ministro Luiz Fux atendeu pedido do deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem Queiroz foi assessor. O Coaf apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária de Queiroz durante um ano sem que houvesse esclarecimento.

Para esses auxiliares, foi uma surpresa a solicitação feita por Flávio Bolsonaro para suspender as investigações.

“Ainda não há uma explicação convincente. Enquanto isso não acontecer, o desgaste desse caso vai continuar. Já está demorando demais”, comentou ao blog um auxilia…

'Temos que estar atentos a qualquer novo passo dos EUA e seus aliados em relação à Síria'

Os Estados Unidos continuam preparando operações encenadas relativas ao uso das armas químicas na Síria, segundo informou a agência local SANA, citando uma fonte do Comitê sírio para a eliminação de armas químicas.


Sputnik

Segundo a mídia, a inteligência e os serviços militares dos EUA usam seus agentes para encenar os ataques químicos em algumas partes do país árabe e depois culpar Damasco.

Forças Democráticas da Síria em um caminhão, Raqqa, Síria (foto de arquivo)
Terroristas das Forças Democráticas da Síria em Raqqa © AP Photo/ Hussein Malla

Como a agência relata, com referências da fonte, o governo sírio condena essa "nova encenação". Damasco também confirma que alguns países ocidentais também estão envolvidos, inclusive a França e a Grã-Bretanha. Assim, esses países querem justificar seus ataques contra a Síria.

O interlocutor da agência também disse que os terroristas, que anteriormente trabalharam para o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países), estão agora prestando serviço aos EUA e para as chamadas Forças Democráticas da Síria (FDS). Segundo ele, esses terroristas levam as famílias das regiões sob o controle das FDS para a base norte-americana de al-Jafra. Lá, essas pessoas são treinadas para se tornarem "vitimas" de um suposto ataque químico do exército sírio.

O cientista político Stanislav Tarasov em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik expressou sua opinião sobre a quem mais os EUA podem culpar pelo uso das armas químicas.

"Os Estados Unidos continuam suas encenações para causar efeito político. Eles já encenaram o ataque químico em Ghouta Oriental, culparam o governo sírio e o lado russo, que supostamente apoiou essas ações. Mas quando o assunto foi levado a sério nas investigações, eles [os EUA] fugiram […] Agora, eles estão, provavelmente, preparando uma nova operação. Temos que estar atentos a qualquer novo passo dos EUA e seus aliados em relação à Síria", disse.

"Eles [os EUA] são capazes também de culpar o Irã pelo uso das armas químicas", concluiu.

No início de abril, o Ocidente acusou Damasco de realizar ataque químico contra a cidade de Douma, na Ghouta Oriental, e ameaçou retaliar. Moscou negou a informação sobre uma bomba de cloro, supostamente atirada por militares sírios. A chancelaria russa declarou que a desinformação sobre ataques químicos na Síria busca proteger os terroristas e justificar atuação militar de terceiros no país árabe.

Na madrugada de 14 de abril, EUA, Grã-Bretanha e França realizaram um ataque conjunto de mísseis contra instalações do governo sírio que, segundo o Ocidente, eram usadas na fabricação de armas químicas. Mais de 100 mísseis foram disparados, 71 dos quais foram abatidos por defesa antiaérea síria. As forças russas não foram mobilizadas, mas acompanharam o ataque. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, classificou o ataque como agressão contra um país soberano.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas