Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

Turquia ameaça fechar base aérea de Incirlik para EUA

Ancara pode impedir acesso dos EUA à base aérea de Incirlik por causa da política hostil de Washington, segundo declarou o chanceler turco, Mevlut Cavusoglu.


Sputnik

"Tentamos normalizar as relações com EUA. Para que melhorem, EUA devem tomar medidas em relação a Manbij, extradição de Gulen e outras. Quando se trata disso, nosso povo diz: 'Fechem as bases de Incirlik e Kurecik'. Também temos outros trunfos nas mãos. EUA não devem perder tal aliado como nós. Esperamos que EUA abandonem suas medidas erradas", declarou o chanceler turco em uma entrevista ao canal de TV A Haber.

Base aérea de Incirlik nos arredores da cidade de Adana, sul da Turquia (foto de arquivo)
Boeing C-17 Globemaster III na base aérea turca de Incirlik © AP Photo / Emrah Gurel

Entretanto, ele apontou que a Turquia conta com um roteiro coordenado com EUA para resolver o problema de Manbij.

"Mas se a esperança se acabar, Turquia será capaz de demonstrar sua força. Somos um país independente e vamos tomar medidas de uma ou de outra forma a nosso critério", assegurou.

Turquia vem repetidamente acusando os EUA de violarem sua promessa de retirar os combatentes das Unidades de Proteção Popular (YPG) de Manbij, depois das formações curdas terem libertado em junho de 2016 a cidade dos terroristas do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países).

As tensões também atingiram seu ápice em outubro, quando a Turquia prendeu um funcionário do consulado dos EUA por supostos laços com o clérigo exilado Fethullah Gulen, a quem Ancara culpa pela tentativa frustrada de golpe de 2016. A Turquia criticou os EUA por se recusarem a extraditar Gulen, que mora na Pensilvânia, enquanto Washington e outros governos ocidentais criticaram a Turquia por sua repressão pós-golpe.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas