Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Turquia diz que EUA têm responsabilidade no "massacre" em Gaza

O porta-voz do governo da Turquia, Bekir Bozdag, classificou como um "massacre" a morte de dezenas de manifestantes palestinos em Gaza nesta segunda-feira e acusou os Estados Unidos de terem tanta responsabilidade como Israel neste episódio.


EFE

Ancara - "O governo americano tem tanta responsabilidade neste massacre como o de Israel", disse Bozdag, em discurso transmitido pela emissora turca "NTV".


Resultado de imagem para Bekir Bozdag
Bekir Bozdag | Reprodução

Bozdag também afirmou que a Turquia nunca reconhecerá a mudança da embaixada americana de Tel Aviv para Jerusalém, cuja cerimônia oficial nesta segunda-feira motivou os protestos em Gaza, reprimidos a tiros pelo Exército israelense.

"Façam o que façam EUA e Israel, tomem as medidas que tomem, a Turquia as considerará inexistentes", disse o porta-voz, ao indicar que a mudança da embaixada americana "levará a mais tensão, falta de confiança, instabilidade, crise e confrontos".

"Jerusalém acabará sendo livre. Estados Unidos e Israel no final serão forçados a entregá-la aos seus verdadeiros donos", acrescentou.

O Ministério das Relações Exteriores da Turquia também divulgou um comunicado no qual condena "de forma taxativa" a mudança da embaixada dos EUA, a qual considera "nula de um ponto de vista jurídico".

"Ressaltamos que esta mudança, que ignora os direitos legítimos dos povos palestinos, destrói a estabilidade, a segurança e a paz regional", indica o comunicado, que lembra que a Assembleia das Nações Unidas já rejeitou "esta mudança ilegal" em dezembro do ano passado.

O líder opositor Partido Republicano do Povo (CHP, social-democrata) Kemal Kiliçdaroglu, pediu para que o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, cumpra a sua promessa, feita em dezembro, de abrir uma embaixada turca para o Estado da Palestina em Jerusalém Oriental.

"Já se passaram meses e continuamos esperando. Querido Erdogan, como o senhor disse no Parlamento, por que não abre em Jerusalém Oriental uma embaixada para o Estado da Palestina? Quem o impede? Como secretário-geral do CHP eu te digo: se você tem coração, abra a embaixada e eu o aplaudirei", disse o líder da oposição turca.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas