Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Um morto e 147 feridos em confrontos entre palestinianos e soldados israelitas

Este já é o dia com mais baixas palestinianas desde 2014. Transferência de embaixada dos EUA de Telavive para Jerusalém motivou revolta


DN/Lusa

Pelo menos 52 palestinianos foram mortos por soldados israelitas durante os protestos junto à fronteira com Gaza contra a transferência da embaixada dos EUA de Telavive para Jerusalém, segundo autoridades de saúde palestinianas, citadas pela Reuters. A vítima mais nova teria 14 anos. Segundo a Reuters, há cerca de 1200 feridos, metade com balas.

Protestos no sul da Faixa de Gaza | Foto REUTERS/Ibraheem Abu Mustafa

É o dia com mais baixas palestinianas desde a guerra de Gaza em 2014.

De acordo com Ashraf al Qedra, porta-voz do Ministério da Saúde palestiniano em Gaza, a primeira vítima foi Anas Qudieh, de 21 anos, que morreu na sequência do impacto de uma bala a este de Jan Yunis, sul do enclave.

Milhares de palestinianos reuniram-se hoje em vários pontos da fronteira e pequenos grupos tentaram aproximar-se das barreiras de segurança que estão fortemente vigiadas pelo exército.

Segundo a agência espanhola EFE, as forças israelitas, que haviam alertado a população para não se aproximarem da linha divisória, dispararam gás lacrimogéneo contra os manifestantes para impedir que eles se aproximassem do portão de segurança.

Em panfletos lançados por caças, o exército israelita avisa que "atuará contra qualquer tentativa de danificar a vedação de segurança ou atacar soldados ou civis israelitas".

Na terça-feira, os palestinianos assinalam o 'Nakba' (desastre, em árabe), que designa o êxodo palestiniano em 1948, quando pelo menos 711.000 árabes palestinianos, segundo dados da ONU, fugiram ou foram expulsos das suas casas, antes e após a fundação do Estado israelita.

Com estas mortes elevam-se para 70 o número de palestinianos abatidos por soldados israelitas na faixa de Gaza desde o início das manifestações, a 30 de março.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas