Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Revista americana compara táticas de uso de robôs militares da Rússia e dos EUA

Depois dos testes do veículo de combate robótico Uran-9 na Síria, especialistas militares dos EUA analisaram o papel e o conceito de utilização de robôs em combate, tendo ainda comparado as caraterísticas dos robôs militares russos e norte-americanos.
Sputnik

Antes de tudo, o analista militar Charlie Gao da revista The National Interest prestou atenção à diferença fundamental na filosofia de planejamento militar dos EUA e da Rússia. 

Por exemplo, o Pentágono destaca cinco aplicações potenciais dos robôs. Entre elas estão a vigilância, o abastecimento de tropas, o apoio às tarefas cognitivas e físicas dos soldados, o aumento das capacidades de manobra, bem como a proteção das Forças Armadas. O exército norte-americano utiliza os robôs principalmente em tarefas auxiliares e de transporte de cargos.

Por sua vez, o Estado-Maior russo prevê usar os robôs em missões ofensivas, em ataques de vanguarda ou para neutralizar as posições do adversário em colaboração com as tropas convencionais.

"…

USAF inicia segunda fase do Light Attack Experiment (VIDEO)

Os voos começaram em 7 de maio de 2018, para a segunda fase do Light Attack Experiment da USAF na Base Aérea Holloman, Novo México.


Poder Aéreo

ARLINGTON, Virgínia (AFNS) – Os pilotos estão voando o Sierra Nevada/Embraer A-29 Super Tucano e o Textron Aviation AT-6B Wolverine durante um experimento de três meses para coletar informações adicionais sobre a capacidade da aeronave, bem como a interoperabilidade do país parceiro, antes de uma potencial compra de aeronaves ataque leve.

Embraer EMB 314 Super Tucano, A-29
Sierra Nevada/Embraer A-29 Super Tucano

“Esta segunda fase de experimentação é sobre como informar o rápido processo de aquisição à medida que nos aproximamos de investir em aeronaves de ataque leve”, disse o tenente-general Arnie Bunch, assistente militar do Gabinete do Subsecretário da Força Aérea para Aquisição. “Se pudermos ter aeronaves de ataque leve operando em ambientes de combate permissivos, poderemos aliviar a demanda em nossas aeronaves de 4ª e 5ª geração, para que elas possam estar treinando para a luta de ponta para a qual foram feitas.”

A Força Aérea dos EUA também está avaliando a interoperabilidade e os recursos de rede para, um dia, realizar operações de ataque leve lado a lado com os parceiros da coalizão. De acordo com a Declaração de Postura da Força Aérea de 2018, “Manter a guerra irregular como uma competência central a um custo menor e fortalecer nossas alianças são elementos-chave da nossa Estratégia de Defesa Nacional”.

Beechcraft AT-6 Wolverine
Beechcraft AT-6 Wolverine

O chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, David Goldfein, disse a membros do Comitê de Serviços Armados do Senado: “Estamos olhando para uma aeronave de ataque leve através das lentes dos aliados e parceiros. Uma grande parte do Light Attack Experiment é uma arquitetura comum e uma rede de compartilhamento de inteligência, para que aqueles que se juntarem a nós façam parte da campanha contra o extremismo violento”.

Durante esta fase de experimentação, os tripulantes são pilotos de caça, ataque ou operações especiais, além de pilotos de testes e engenheiros de voo da Força Aérea dos EUA, da Guarda Aérea Nacional e da Reserva da Força Aérea. Coletivamente, eles têm mais de 1.000 horas de voo e mais de 100 missões de combate, e todos os pilotos foram instrutores em uma ou mais aeronaves.

Os cenários de voo consistirão em missões diurnas e noturnas em interdição aérea, apoio aéreo aproximado, vigilância armada e busca e salvamento de combate. Os observadores de manutenção se concentrarão na manutenção em linha de voo e em oficinas, para informar sobre os requisitos de manutenção e suporte ao produto.

O experimento faz parte de um esforço mais amplo da Força Aérea dos EUA para explorar opções de plataformas de ataque econômicas sob a Campanha de Experimentação Light Attack liderada pelo Escritório de Planejamento e Experimentação Estratégica da Força Aérea dos EUA na Base Aérea Wright-Patterson, Ohio.

A primeira fase do Light Attack Experiment aconteceu em agosto de 2017 na Holloman AFB, com quatro modelos de aeronaves de ataque leve.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas