Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

'Vocês são um Estado terrorista', diz Erdogan para Israel

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou Israel de usar agressão desnecessária na Síria e culpou Tel-Aviv por estar empurrando toda a região para uma guerra em larga escala.


Sputnik

Em entrevista à BBC árabe no domingo (13), Erdogan disse que Israel está "semeando medo e empurrando" a região do Oriente Médio para a guerra.

Turkey's President Recep Tayyip Erdogan gestures as he talks during the closing news conference following the Organisation of Islamic Cooperation's Extraordinary Summit in Istanbul, Wednesday, Dec. 13, 2017
Recep Tayyip Erdogan © AP Photo / Emrah Gurel

O líder turco também denunciou um ataque aéreo israelense à Síria ocorrido há 2 dias, referindo-se ao ataque como uma afronta à soberania da nação síria, que está em seu 7º ano de guerra civil. Ele também criticou a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de sair do acordo nuclear iraniano, segundo informou o Ynetnews.com.

O presidente turco tem criticado ações recentes dos EUA e de Israel com frequência. Na semana passada ele disse à CNN que a mudança da embaixada dos EUA para Jerusalém foi um "grande erro". Ele ainda teria afirmado que "Jerusalém Oriental é a capital da Palestina" e que "quando um Estado palestino for estabelecido", uma embaixada turca será aberta lá.

Segundo Erdogan, a decisão de Trump isola ainda mais os EUA. Para ele, o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel faz os EUA "perderem aliados".

No final de março, o líder turco condenou o que chamou de "ataque desumano" de soldados israelenses a manifestantes palestinos na fronteira da Faixa de Gaza, um dia depois de os militares israelenses terem matado outros 16 manifestantes palestinos desarmados. Em 13 de maio, o número de mortos chegou a 53 pessoas, incluindo idosos, crianças e jornalistas.

"Você já ouviu alguma objeção digna de nota ao massacre de Israel que aconteceu ontem em Gaza vinda daqueles que criticaram a operação em Afrin?", indagou o presidente turco durante seu discurso em 31 de março em Istambul, referindo-se a uma operação militar turca contra os curdos no norte da Síria.

Falando a simpatizantes na província de Adana, Erdogan também teria dito ao primeiro-ministro israelense:

"Nós [a Turquia] estamos lidando com terroristas. Mas você não está preocupado com terroristas porque vocês são um Estado terrorista", conforme citado pelo jornal turco Hurriyet.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas