Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

'Alô, é o Tio Sam?': Emirados Árabes pedem que EUA ajudem a tomar cidade no Iêmen

Os Emirados Árabes Unidos (EAU) pediram aos Estados Unidos que forneçam apoio militar direto para uma operação destinada a tomar a cidade portuária de Al Hudaydah, no Iêmen, controlada pelos rebeldes xiitas.


Sputnik

Os EAU e a Arábia Saudita também disseram aos Estados Unidos que não tentariam tomar a cidade até que houvesse uma interferência dos EUA, informou o Wall Street Journal citando autoridades dos EUA.

Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, à direita, em encontro com o ministro de Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Abdullah bin Zayed Al Nahyan. O encontro foi realidado no Departamento de Estado, em Washington, no dia 14 de maio de 2018.
Sheikh Abdullah bin Zayed al Nahyan dos Emirados Árabes Unidos e Mike Pompeo © AP Photo / Manuel Balce Ceneta

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, solicitou uma rápida avaliação do pedido dos Emirados Árabes Unidos.

"Continuamos a ter muitas preocupações sobre a operação de Al Hudaydah […]. Não estamos 100% confortáveis de que, mesmo que a coalizão lançasse um ataque, se seriam capazes de fazê-lo de maneira limpa e evitar um incidente catastrófico", disse um veterano não identificado dos EUA ao The Wall Street Journal.

Desde 2015, o Iêmen está envolvido em um conflito armado entre o governo liderado pelo presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi e o movimento Houthi, também conhecido como Ansar Allah.

Liderada pela Arábia Saudita, uma coalizão de países do Golfo Pérsico, incluindo Emirados Árabes Unidos, vem realizando ataques aéreos contra os Houthis a pedido de Hadi, desde março de 2015.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas