Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Quem vai receber 'resposta esmagadora' do Irã pelo atentado em Ahvaz?

No sábado (22), militantes armados abriram fogo contra uma parada militar na cidade de Ahvaz, matando 29 pessoas e ferindo outras 60. O Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, que perdeu 12 de seus militares no atentado, prometeu que o Irã daria uma "resposta esmagadora" aos envolvidos no ataque. Mas de quem Teerã irá se vingar?
Sputnik

A responsabilidade pelo atentado foi assumida pelo Movimento Democrático Patriótico Árabe de Ahvaz (Al-Ahvazia), ligado à Arábia Saudita.

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, comentando a tragédia, afirmou que os atacantes receberam dinheiro da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos e que tinham sido apoiados pelos EUA.

Ex-chefe do Conselho de Cultura da administração presidencial iraniana, doutor Abbas Amirifar, acredita que por trás do ataque em Ahvaz estão países do Ocidente que "têm uma atitude hostil perante o Irã".

"Vale destacar que os terroristas que disseram estar envolvidos no atentado instalaram-se no Oc…

Blindado do Brasil é transformado em 'vulcão de fogo' por militares iraquianos

Durante o governo de Saddam Hussein, o Iraque era um dos maiores importadores de armamento brasileiro. Para combater o Irã, os iraquianos compravam sistemas de lançadores múltiplos Astros II, aviões de treinamento militar EMB-312 Tucano, bem como VBTP EE-11 Urutu.


Sputnik

Contudo, a estrela dos armamentos obtidos pelo Iraque do país latino-americano era o EE-9 Cascavel, apontou a revista on-line Russkoe Oruzhie. Ao todo, o Iraque comprou 250 unidades destes veículos blindados. Somente o exército brasileiro (415) e o líbio (380) tinham em seu dispor um número maior dos mesmos.

EE-9 Cascavel iraquiano | Reprodução

Diferente da maioria dos veículos blindados que se baseiam sobre lagartas, o Cascavel se move sobre 6 rodas. O veículo é capaz de alcançar uma velocidade de até 100 km/h e tem uma autonomia de mil quilômetros.

Suas funções principais são reconhecimento e apoio de fogo. Para estes objetivos, o veículo está dotado de um canhão de 90 mm e de duas metralhadoras de 7,62 e 12,7 mm respetivamente.

O blindado foi ativamente usado durante os anos da guerra entre o Iraque e o Irã e também participou da incursão em Kuwait em 2003. O Cascavel continua permanecendo em serviço operacional do Iraque, mas passou por certas modificações.

Assim, devido à falta de projetis, seu canhão foi substituído por um "tubo-lançador" para projetis reativos de 107 mm de produção chinesa. Por isso, foi necessário trocar a torre para que fosse possível operar o novo "canhão".

​De acordo com a edição, estas modificações podem parecer rudimentares, contudo, durante o lançamento desses projetis o Cascavel se converte em um autêntico dragão ígneo.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas