Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Cenário para libertação do sul da Síria ainda é incerto, afirma Assad

O cenário para a libertação do sul da Síria ainda não está definido, pode ser uma solução pacífica ou uma solução com uso da força, disse o presidente sírio, Bashar Assad, em entrevista à TV Al-Alam, do Irã, nesta quarta-feira (13).


Sputnik

"O Sul da Síria está enfrentando uma escolha. Ou é a reconciliação ou a liberação pela força. Neste momento, não há resultados [do processo de paz] por causa da pressão dos EUA e dos EUA sobre os terroristas naquela região. A reconciliação e a solução pacífica poderiam ser alcançadas", afirmou a agência estatal síria SANA, citando Assad.

O presidente sírio Bashar Assad durante um discurso em frente dos diplomatas, em 20 de agosto de 2017
Presidente sírio Bashar Assad © AP Photo / Página do Facebook da Presidência da Síria

Mês anterior, a mídia local informou que as forças do governo sírio foram remanejadas de Damasco e outras partes da Síria para a frente sul. As forças desdobradas eram da Guarda Republicana — uma unidade de elite do Exército Sírio, encarregada principalmente de defender Damasco — e um grupo paramilitar associado ao aparato de inteligência da Síria, segundo o Al Masdar News.

A ofensiva terá como objetivo liberar a totalidade do sul da Síria, incluindo o território perto das colinas de Golã, ocupadas por Israel, o que alarmou Israel. Este mês, uma fonte militar anônima síria disse ao Sputnik que "combatentes da resistência do Hezbollah e outras milícias estrangeiras apoiadas pelo Irã" não desempenharão nenhum papel na próxima ofensiva do Exército Sírio na área.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas