Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Chefe da OTAN prega união, mas ministros europeus temem guerra com a Rússia

Antes da reunião da OTAN do próximo mês, Jens Stoltenberg usou o discurso desta quinta-feira em Londres para apelar à unidade apesar das divergências. Enquanto isso, os ministros conservadores advertiram que "a Rússia está se preparando para a guerra", em meio a uma disputa de financiamento com Downing Street.


Sputnik

Falando na Lancaster House antes de uma reunião com a primeira-ministra Theresa May, o secretário-geral da OTAN Stoltenberg disse que os laços entre a Europa e os EUA sobreviveriam às tensões e desacordos sobre questões como comércio e o acordo nuclear com o Irã.

Tanques da OTAN na Letônia, perto da fronteira com a Rússia
Tropas da OTAN na fronteira da Letônia com a Rússia © AP Photo/ Mindaugas Kulbis

"Nosso vínculo é forte, mas alguns estão duvidando da força desse vínculo. E sim, vemos diferenças entre os Estados Unidos e outros aliados em questões como comércio, clima e o acordo nuclear com o Irã", disse. "Não está escrito em pedra que o laço transatlântico sobreviverá para sempre, mas acredito que vamos preservá-lo", acrescentou.

O apelo de Stoltenberg pela união vem antes de uma cúpula da aliança de 29 membros, prevista para acontecer em Bruxelas em 11 ou 13 de julho, dependendo da visita do presidente dos EUA, Donald Trump, ao Reino Unido.

A cúpula é considerada uma das mais carregadas da história da organização, com Trump em disputa com o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e com a chanceler alemã Angela Merkel em várias questões, entre as quais a exigência de que aliados europeus gastem mais com defesa.

Atualmente, apenas 5 membros da OTAN estão gastando o mínimo de 2% do PIB em defesa, conforme exigido pelo presidente dos EUA, com o Reino Unido entre eles.

Em março, o secretário do Tesouro dos EUA, Steve Mnuchin, anunciou que os membros que buscam isenções das tarifas de aço e alumínio devem aumentar suas contribuições para a organização, um sinal de ameaças potenciais que Trump pode citar quando chegar à Europa.

Durante seu discurso, Stoltenburg elogiou o Reino Unido como "instrumental" no sucesso da aliança e que liderou pelo exemplo quando se tratava de gastos com defesa.

Temores em Londres

A visita e os comentários de Stoltenberg provavelmente agradarão autoridades e ministros do Ministério da Defesa, que estão sofrendo de "ondas de choque" após um acalorado encontro entre o secretário de Defesa britânico Gavin Williamson, em maio, e o chanceler Mark Hammond no início desta semana.

Segundo o jornal Financial Times, Williamson foi orientado a repensar as capacidades necessárias para ser uma potência militar de "primeiro escalão" e concentrar-se mais na capacidade da Grã-Bretanha para enfrentar qualquer ameaça de guerra cibernética, inclusive da Rússia.

Embora um porta-voz da Downing Street tenha reafirmado o compromisso da primeira-ministra com a Grã-Bretanha de "poder militar líder", os ministros do Ministério da Defesa têm insistido em elevar as capacidades militares convencionais, insistindo que a Rússia não está satisfeita em lançar ataques cibernéticos.

Escrevendo no jornal The Times à frente do discurso de Stoltenberg, Williamson falou principalmente sobre a importância que a OTAN desempenhou para a segurança europeia em um "momento crucial na história da nação", mas também apoiou Trump na exigência de que outras nações gastem mais em defesa.

"Saudamos o fato de que muitos aliados europeus estão aumentando seus gastos com defesa, mas nosso continente tem que assumir maior responsabilidade por sua própria segurança. A Europa não pode esperar terceirizar suas defesas para os contribuintes americanos", escreveu Williamson.

Na quarta-feira, o ministro das Forças Armadas britânicas, Mark Lancaster, disse à conferência anual do Royal Power Services Institute (RUSI) que a Rússia não estava satisfeita com operações cibernéticas e conflitos indiretos por medo de "sujar as mãos".

Chamando de "mito" o fato da Rússia não vir a usar "poder bruto" no futuro, Lancaster disse que investir em capacidades de defesa cibernética não era suficiente e que manter e atualizar suas forças tradicionais permanecia essencial.

Williamson e o Ministério da Defesa estão atualmente compilando uma revisão dos planos futuros de suas Forças Armadas e em quais setores a economia pode ser feita para compensar um déficit de financiamento que pode chegar a £ 20 bilhões (US$ 26,2 bilhões).

Devido ao relatório no outono, grande parte da drenagem de fundos é causada por planos de gastos para novos navios de guerra e submarinos nucleares, bem como pela modernização da frota de caças da Força Aérea Real com os caças F-35 Lightning II.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas