Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares venezuelanos exilados declaram lealdade à Assembleia Nacional

Grupo de militares exilados no Peru desconhece governo de Maduro e se coloca às ordens do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, "na condição de presidente interino do país".
Deutsch Welle

Um grupo de militares venezuelanos exilados no Peru se colocou à disposição e sob as ordens do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó. Em uma transmissão televisiva nesta quarta-feira (16/01), os militares leram uma declaração em que expressaram seu apoio à Assembleia Nacional e rejeitaram o governo de Nicolás Maduro.


Nesta terça-feira (15/01), a Assembleia Nacional da Venezuela declarou formalmente Maduro um "usurpador" da presidência, o que significa que o Poder Legislativo não reconhece o novo mandato do líder venezuelano, reeleito em 2018 em eleições amplamente contestadas. O parlamento defende a criação de um governo de transição e novas eleições o quanto antes.

"Invocando a Constituição da República Bolivariana da Venezuela, nossos mais altos valores repub…

Crimeia adverte Kiev das consequências de exercícios militares perto de sua fronteira

Exercícios militares perto da fronteira da Crimeia são como uma brincadeira infantil de soldadinhos e as autoridades ucranianas devem saber o momento de parar com isso, advertiu Grigory Ioffe, chefe da Câmara Pública da República da Crimeia.


Sputnik

Anteriormente, a Marinha da Ucrânia realizou treinamentos no território da região de Kherson, perto da fronteira com a península da Crimeia. Segundo a assessoria de imprensa, artilheiros treinaram a eliminação de alvos nas áreas de povoações "temporariamente ocupadas". 

Crimeia vista do ar
Crimeia © Sputnik / Vitaly Belousov

"Para eles é vital atrelar qualquer ação militar à política. E fazem isso de modo tosco e desajeitado. Às vezes, há impressão que altos escalões da Ucrânia simplesmente brincam de soldadinhos. Mas devemos lembrar que não são soldados de brinquedo, são pessoas", afirmou Ioffe.

Ele pediu para avisar a Kiev que, se eles forem longe demais com essa brincadeira, Moscou terá que "recorrer a outras ações e não será apenas uma brincadeira".

Ioffe acrescentou que a Rússia está fazendo de tudo para evitar que as más relações russo-ucranianas se tornem "quentes".

"A Ucrânia está fazendo exatamente o oposto, porque está tentando provocar a situação. Deus me livre que esses planos insanos da liderança ucraniana se tornem realidade", concluiu.

As relações entre Moscou e Kiev se deterioraram drasticamente depois do golpe na Ucrânia em 2014 e o retorno da Crimeia à Rússia.

A Crimeia se tornou território russo através de um referendo em que votaram a favor 96,77% dos eleitores da República e 95,6% dos moradores de Sevastopol.

A Ucrânia ainda considera a península como território ucraniano temporariamente ocupado. De acordo com Vladimir Putin, a questão da Crimeia está "completamente resolvida".

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas