Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

É explicado por que Rússia não precisa de tantas bases militares como EUA

A revista Newsweek comparou o nível da presença militar dos EUA e da Rússia no mundo. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um especialista militar comentou que a revista tentou comparar duas quantidades que estão em níveis completamente diferentes.


Sputnik

A Rússia é capaz de exercer influência no palco mundial apesar de ter menos bases militares em comparação com os EUA, escreve a revista Newsweek.

Bombardeiros Su-24 da Força Aeroespacial da Rússia na base aérea em Hmeymim, Síria (foto de arquivo)
Sukhoi Su-24 russos na base aérea de Hmeymin, Síria © Sputnik / Dmitriy Vinogradov

O número de grandes estruturas militares russas no exterior equivale a 21, enquanto Washington tem de 600 a 900 instalações em questão.

No entanto, tal proporção não impede que a Rússia exerça uma influência "desproporcionalmente grande" em algumas regiões, opina analista, entrevistada pela edição, apontando que Moscou sabe economizar recursos econômicos muito bem.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o professor Aleksei Podberezkin, do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou, comentou a publicação da revista.

"Somente uma pessoa que se despediu da percepção racional da realidade pode comparar a presença militar da Rússia e dos EUA no mundo por se tratar de duas quantidades incomparáveis", opinou.

"A presença militar da Rússia é muito limitada tanto em regiões como em suas escalas. Na verdade existem apenas seis pontos onde a Rússia possui bases militares, e não são postos de manutenção. Não dá para comparar com 1,5 mil bases e postos dos EUA", destacou o analista.

Entretanto, para Aleksei Podberezkin, os conceitos russo e norte-americano são distintos, causando, assim, diferença gritante no número de bases militares dos dois países espalhadas pelo mundo.

"De fato, não precisamos de tantas bases como os EUA – o conceito da Rússia exclui influência global […] Não temos objetivo de expandir nossa presença por todo o mundo. Talvez esta meta tenha sido presente na época da União Soviética. Agora, tais objetivos políticos são simplesmente inexistentes", explicou o analista.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas