Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

É relatada explosão perto de base militar franco-americana no norte da Síria

Nesta segunda-feira (4), o canal Kurdistan24 relatou sobre uma explosão perto da base franco-americana no norte da província síria de Raqqa.


Sputnik

De acordo com o canal, a base militar, onde estão instalados 200 soldados norte-americanos e 75 franceses, está localizada perto da cidade de Ayn Issa.

Forças dos EUA na Síria (foto de arquivo)
Tropas dos EUA na Síria © AFP 2018 / DELIL SOULEIMAN

Os motivos da explosão estão sendo investigados. Por enquanto, não há informações sobre vítimas ou danos materiais causados pelo incidente.

Segundo a edição turca do canal Kurdistan24, que citou fontes locais, o incidente teria sido causado por uma explosão de munições.

Entretanto, um comandante das FDS, que preferiu manter anonimato, comunicou à Sputnik Turquia que as informações sobre a explosão perto da base franco-americana não correspondem à verdade.

"De vez em quando efetuamos explosões de treinamento nas bases militares da região. É desta forma que treinamos nossos futuros combatentes a neutralizar minas e artefatos explosivos. Durante os exercícios, levamos a cabo explosões de minas sob o controle de sapadores", explicou.

O porta-voz das FDS, Mustafa Balli, também desmentiu para a Sputnik as informações sobre ataque ou ato terrorista na base em Ayn Issa.

"Se este incidente tivesse acontecido realmente, teríamos feito declaração no site oficial das FDS", assinalou.

A área de Ayn Issa é controlada pelas Forças Democráticas Sírias (FDS), apoiadas pelos EUA. O núcleo do grupo é constituído pelas milícias curdas YPG (Unidades de Proteção Popular), YPJ (Unidades de Proteção das Mulheres) e sua ala política PYD (Partido de União Democrática). Recentemente, as principais cidades da área controlada pelas FDS foram abaladas por uma onda de protestos contra a ocupação do território pelas FDS.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas