Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

EUA estão desprotegidos contra mísseis balísticos, revela general americano

Os EUA não contam com proteção necessária contra mísseis balísticos intercontinentais de possíveis inimigos, escreve a revista The National Interest citando o chefe do Comando Estratégico do Pentágono, general John Hyten.


Sputnik

Conforme Hyten, os EUA devem elaborar um sistema de combate contra mísseis russos e chineses antes mesmo do lançamento deles. Ele reparou que os potenciais adversários avançaram muito na criação de armas levando em consideração as particularidades do sistema de defesa antimíssil americano.

Militares norte-americanos perto do sistema de defesa antimíssil Patriot
Militares norte-americanos junto ao Patriot © AP Photo/ Mindaugas Kulbis

"A quantidade de mísseis e suas capacidades de atingir alvos continuam crescendo, já que cada vez mais países adquirem um número maior de mísseis e aumentam potencial técnico especificamente para fazer frente ao sistema antimíssil dos EUA", afirmou Hyten.

O general opina que o perigo dos mísseis modernos é tão grande que já não bastam tentativas ativas de interceptá-los. Ele assinalou que, após o colapso da União Soviética, os EUA não tinham ninguém para se opor, mas, hoje em dia, Washington não deve ignorar potencial militar reforçado de outros países.

"Não podemos ser bem-sucedidos, investindo somente em meios ativos de defesa antimíssil — temos que reforçar e integrar todos os seus pilares, incluindo a capacidade de vencer mísseis inimigos antes mesmo de serem lançados", resumiu Hyten.

Ao concluir, o autor do artigo nota que atualmente o Pentágono sabe melhor falar sobre êxitos militares do que repelir ataques reais de mísseis balísticos intercontinentais.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas