Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

EUA manterão quase 30 mil soldados na Coreia do Sul

Os Estados Unidos manterão o atual nível de tropas na Coreia do Sul para manter o compromisso de defesa de Washington com seu aliado asiático, segundo afirmou o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, nesta quinta-feira (28).


Sputnik

As tropas dos EUA estão presentes na Coreia do Sul desde os anos 1950. Atualmente, eles somam cerca de 28,5 mil soldados dos EUA. No começo do dia, Mattis chegou à capital sul-coreana de Seul para conversar com seu colega sul-coreano, Song Young-moo.

Marinha norte-americana durante exercícios conjuntos dos EUA e Coreia do Sul em Pohang
Militares norte-americanos e sul-coreanos na Coreia do Sul © AFP 2018 / YONHAP

"O compromisso dos EUA com a República da Coreia [nome oficial da Coreia do Sul] permanece rígido e os EUA continuarão a usar uma ampla gama de capacidades diplomáticas e militares para manter esse compromisso. Isso inclui manter os atuais níveis de força dos EUA na península coreana", disse Mattis, de acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

O secretário dos EUA também ressaltou que Washington e Seul continuariam seu trabalho para alcançar a completa desnuclearização da Península Coreana.

"Como sempre, em estreita consulta com a República da Coreia e outros parceiros, nossos diplomatas continuam seu trabalho para alcançar a completa, verificável e irreversível desnuclearização da Península Coreana", afirmou.

As tensões na península coreana sobre o programa nuclear de Pyongyang começaram a diminuir no início de 2018. Em 27 de abril, o presidente sul-coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano Kim Jong-un realizaram uma reunião histórica na aldeia de Panmunjom e assinaram uma declaração conjunta, concordando em tomar medidas para apoiar os esforços internacionais em direção à desnuclearização da Península Coreana.

Em 12 de junho, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump e Kim, se reuniram em Singapura, onde assinaram um acordo que exige a desnuclearização em troca do congelamento dos exercícios militares sul-coreanos e eventuais sanções.

Poucos dias depois da histórica cúpula EUA-Coreia do Norte, Washington suspendeu exercícios militares conjuntos com a Coreia do Sul, incluindo os exercícios Freedom Guardian, programados para agosto.

Os exercícios conjuntos entre os EUA e a Coreia do Sul vêm alimentando as tensões com Pyongyang, que os considera uma ameaça à sua segurança nacional e uma provocação estratégica e diplomática.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas