Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vídeo mostra momento do encontro do submarino argentino Ara San Juan

Profissionais que operavam um dos veículos submarinos foram os primeiros a ver em tela as imagens da embarcação, que estava desaparecida desde 15 de novembro do ano passado. Submarino foi localizado a 907 metros de profundidade.
Por G1

Um vídeo divulgado neste domingo (18) mostra as primeiras imagens do submarino Ara San Juan, no momento em que profissionais da empresa Ocean Infinity o localizaram. O encontro foi anunciado pela Marinha da Argentina na madrugada de sábado.


No vídeo é possível ver quando a equipe que opera um dos veículos que fazia as buscas vê a embarcação pela primeira vez em uma região de cânions (espécie de rios submarinos), a 907 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia.

O Ara San Juan desapareceu em 15 de novembro de 2017, com 44 pessoas a bordo, e sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma á…

Falha perigosa provoca revisão maciça de rifles recém-modernizados nos EUA

O Exército e o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA estiveram investigando seus fuzis M-4 e M-16 após um disparo involuntário. O assunto complica-se devido ao fato que o rifle em questão acaba de ser modernizado.


Sputnik

A falha aconteceu no fim de março, mas foi tornada pública somente em junho, informa a mídia Task&Purpose.

Fuzis norte-americanos M-16 (foto de arquivo)
Fuzis M-16 norte-americanos © AP Photo / Sakchai Lalit

Um rifle M4A1 falhou ao disparar, e quando revisaram a arma, revelou-se que o seletor entre os modos automático e semiautomático estava travado. No momento de forçar o seletor manualmente produziu-se um disparo involuntário.

O incidente não deixou feridos, mas dado que a arma fazia parte de um programa de modernização recente, o Pentágono ordenou a investigação da falha e a revisão de outros rifles modernizados, escreve o comunicado.

O estudo de aproximadamente 52 mil rifles revelou que 6% das armas possuíam a mesma falha, e agora os militares norte-americanos têm que revisar mais de 900 mil fuzis automáticos em serviço.

A reparação poderia demorar até um ano e meio, segundo o Exército. Entretanto, foi divulgado um comunicado de segurança para conscientizar os militares sobre o problema encontrado.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas