Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Força Aérea alemã reconhece sua incapacidade de combater

Aproximadamente dois terços dos aviões de guerra da Força Aérea alemã não podem participar de combates.


Sputnik

A frota de aviões de combate alemã se encontra em péssimas condições, conforme anunciou o chefe do Estado-Maior da Força Aérea alemã, tenente-general Ingo Gerhartz, citado pela agência Reuters.

Eurofighter Typhoon S da Força Aérea da Alemanha
CC BY 2.0 / Eurofighter Typhoon S Germany Air Force / https://www.flickr.com/people/14035760@N03

O alto responsável militar, que assumiu o cargo há um mês, confessou essa realidade falando em Berlim perante 200 executivos da indústria da aviação, oficiais e legisladores.

Segundo explicou Gerhartz, a inspeção do estado dos caças polivalentes Eurofighter Typhoon levou 14 meses em vez do planejado meio ano. Tal situação, destacou, é considerada inaceitável.

Além disso, ele ressaltou que as aeronaves estão paradas em suas bases porque não há peças de reposição suficientes ou muitas destas peças já não se fabricam.

Vale destacar que, em fevereiro deste ano, o Ministério da Defesa da Alemanha publicou um relatório no qual detalhou que, durante 2017, apenas 39 dos 128 Eurofighter Typhoon e 26 dos 93 caças antigos Panavia Tornado estavam preparados para treinamentos ou realizar missões de combate.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas