Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Força Aérea alemã reconhece sua incapacidade de combater

Aproximadamente dois terços dos aviões de guerra da Força Aérea alemã não podem participar de combates.


Sputnik

A frota de aviões de combate alemã se encontra em péssimas condições, conforme anunciou o chefe do Estado-Maior da Força Aérea alemã, tenente-general Ingo Gerhartz, citado pela agência Reuters.

Eurofighter Typhoon S da Força Aérea da Alemanha
CC BY 2.0 / Eurofighter Typhoon S Germany Air Force / https://www.flickr.com/people/14035760@N03

O alto responsável militar, que assumiu o cargo há um mês, confessou essa realidade falando em Berlim perante 200 executivos da indústria da aviação, oficiais e legisladores.

Segundo explicou Gerhartz, a inspeção do estado dos caças polivalentes Eurofighter Typhoon levou 14 meses em vez do planejado meio ano. Tal situação, destacou, é considerada inaceitável.

Além disso, ele ressaltou que as aeronaves estão paradas em suas bases porque não há peças de reposição suficientes ou muitas destas peças já não se fabricam.

Vale destacar que, em fevereiro deste ano, o Ministério da Defesa da Alemanha publicou um relatório no qual detalhou que, durante 2017, apenas 39 dos 128 Eurofighter Typhoon e 26 dos 93 caças antigos Panavia Tornado estavam preparados para treinamentos ou realizar missões de combate.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas