Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Grande grupo do opositor Exército Livre da Síria passa para o lado de Assad

Um primeiro grande agrupamento de combatentes do Exército Livre da Síria – grupo armado ilegal e um dos principais grupos da oposição – passou para o lado do governo na zona de desescalada do Sul, informou o Centro Russo para a Reconciliação na Síria.


Sputnik

Após negociações, o líder dos combatentes afirmou que as povoações de Deir Dama, Ashiyah e parte da cidade de Jaddal passam voluntariamente para o controlo do governo.

Soldados da oposição do Exército Livre da Síria apoiados pela Turquia em um caminhão na fronteira com a Síria
Tropas do Exército Livre da Síria apoiados pela Turquia © AP Photo/ Lefteris Pitarakis

Ele também sublinhou que o agrupamento vai combater, juntamente com o exército sírio, o Daesh e a Frente al-Nusra (organizações terroristas proibida na Rússia).

Segundo informaram no centro russo, as primeiras unidades das forças governamentais sírias entraram nas povoações de Deir Dama e Ashiyah já ao fim da tarde de sexta-feira (22).

O que impede um acordo de paz

Comentando a situação atual no país árabe, o analista Vladimir Kozin sublinhou que as organizações terroristas fazem com que a oposição moderada do país combata entre si, impedindo assim o alcance da paz com as tropas governamentais.

No país há quatro grupos armados ilegais que estão em disputa contínua pela alteração das zonas de influência na zona de desescalada, explica o analista, destacando que os grupos Daesh e Frente al-Nusra, não tendo capacidade negocial, controlam, segundo Kozin, entre 40 e 50% da zona.

O analista opinou que outro grupo, Ahrar al-Sham, que controla cerca de 10% da zona de desescalada, poderá sob certas condições se juntar às tropas governamentais.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas