Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Irã condena a ofensiva liderada pelos Emirados contra importante cidade portuária do Iêmen

O Irã condenou duramente um ataque militar liderado pelos Emirados contra a cidade portuária de Hudaydah, no Iêmen, o principal canal para a entrega de ajuda humanitária ao país devastado pela guerra, descartando qualquer solução militar para a crise iemenita.


Pars Today

Na quinta-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã alertou que a ofensiva poderia piorar a já terrível situação humanitária na cidade portuária do Mar Vermelho.

Irã condena a ofensiva liderada pelos Emirados contra importante cidade portuária do Iêmen

Sob a cobertura aérea saudita, as forças apoiadas pelos Emirados lançaram a ofensiva na quarta-feira para capturar Hudaydah do movimento Houthi Ansarullah do Iêmen, que tem estado dirigindo assuntos do estado e defendendo a nação contra uma guerra liderada por Riad nos últimos três anos.

O ataque seguiu em frente, apesar das inúmeras advertências das organizações de direitos internacionais e das Nações Unidas, que disseram que a ação militar pode custar até 250.000 vidas e provocar uma catástrofe humanitária no país.

O diplomata iraniano disse ainda: "A crise no Iêmen não tem solução militar e recorrer à força levaria a lugar nenhum", pedindo o fim da invasão do empobrecido Estado da Península Arábica. “Esses crimes matariam o fraco luz de esperança pelos esforços políticos em andamento [para dar frutos] e simplesmente complicariam as condições”, acrescentou Qassemi.

O ataque de Hudaydah é considerado o maior de seu tipo desde que o regime saudita e seus aliados iniciaram a campanha sangrenta contra o Iêmen no início de 2015.

Ele é liderado pelos Emirados Árabes Unidos, uma força da aliança liderada pela Arábia Saudita. O movimento Houthi e as forças aliadas do Iêmen prometeram forte resistência diante da ofensiva militar. Eles destruíram um navio de guerra dos Emirados com mísseis na costa do Iêmen na quarta-feira, forçando um segundo navio de guerra a fugir do local.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas