Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Japão avisa comunidade internacional para não elogiar Pyongyang pela vontade de diálogo

Em 2 de junho, o ministro da Defesa japonês, Itsunori Onodera, avisou a comunidade internacional para não elogiar a Coreia do Norte apenas por ter acordado em se empenhar no diálogo.


Sputnik

Ele disse que Pyongyang no passado tinha sido "conciliatório e pronto para cooperação" somente para voltar atrás. "Acho que é importante não elogiar a Coreia do Norte somente por que concordou em dialogar", sublinhou Onodera na cúpula de segurança em Singapura.

Soldado no polígono nuclear de Punggye-ri, no norte da Coreia do Norte
Militar norte-coreano © Sputnik / Ilya Pitalev

Entretanto, o seu colega canadense disse que não houve planos em Seul ou Washington de derrubar o governo norte-coreano ou acelerar a reunificação com o Sul.

"Não há nenhum plano que vise mudar ou derrubar o regime na Coreia do Norte. Não há planos para acelerar a reunificação, eles não buscam um pretexto para enviar tropas a norte do paralelo 38", declarou Harjit Singh Sajjan, ministro canadense.

Ele adicionou que as autoridades do Canadá apoiam totalmente as sanções internacionais e introduziram suas próprias restrições contra o país asiático para o obrigar a abandonar o programa nuclear.

O ministro frisou que se se deixar Pyongyang ter armas nucleares, isso poderia incentivar outros países a desenvolver seus próprios programas atômicos.

Anteriormente, o ministro da Defesa Nacional sul-coreano, Song Youngmoo, declarou que Seul tem uma política de "três nãos" em relação ao vizinho: não desejar o colapso da Coreia do Norte, não tentar a reunificação via absorção e não procurar a reunificação via meios artificiais.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas