Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Área militar do governo brasileiro demonstra desconforto com suspensão de investigação do caso Queiroz

Integrantes da área militar do governo demostraram desconforto com o pedido de suspensão da investigação para apurar movimentações financeiras de Fabricio Queiroz consideradas "atípicas" pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).
Por Gerson Camarotti | G1

A avaliação de auxiliares do presidente Jair Bolsonaro é que essa decisão tomada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), só faz prolongar o desgaste provocado pelo caso.

O ministro Luiz Fux atendeu pedido do deputado estadual e senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), de quem Queiroz foi assessor. O Coaf apontou movimentação de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária de Queiroz durante um ano sem que houvesse esclarecimento.

Para esses auxiliares, foi uma surpresa a solicitação feita por Flávio Bolsonaro para suspender as investigações.

“Ainda não há uma explicação convincente. Enquanto isso não acontecer, o desgaste desse caso vai continuar. Já está demorando demais”, comentou ao blog um auxilia…

Japão avisa comunidade internacional para não elogiar Pyongyang pela vontade de diálogo

Em 2 de junho, o ministro da Defesa japonês, Itsunori Onodera, avisou a comunidade internacional para não elogiar a Coreia do Norte apenas por ter acordado em se empenhar no diálogo.


Sputnik

Ele disse que Pyongyang no passado tinha sido "conciliatório e pronto para cooperação" somente para voltar atrás. "Acho que é importante não elogiar a Coreia do Norte somente por que concordou em dialogar", sublinhou Onodera na cúpula de segurança em Singapura.

Soldado no polígono nuclear de Punggye-ri, no norte da Coreia do Norte
Militar norte-coreano © Sputnik / Ilya Pitalev

Entretanto, o seu colega canadense disse que não houve planos em Seul ou Washington de derrubar o governo norte-coreano ou acelerar a reunificação com o Sul.

"Não há nenhum plano que vise mudar ou derrubar o regime na Coreia do Norte. Não há planos para acelerar a reunificação, eles não buscam um pretexto para enviar tropas a norte do paralelo 38", declarou Harjit Singh Sajjan, ministro canadense.

Ele adicionou que as autoridades do Canadá apoiam totalmente as sanções internacionais e introduziram suas próprias restrições contra o país asiático para o obrigar a abandonar o programa nuclear.

O ministro frisou que se se deixar Pyongyang ter armas nucleares, isso poderia incentivar outros países a desenvolver seus próprios programas atômicos.

Anteriormente, o ministro da Defesa Nacional sul-coreano, Song Youngmoo, declarou que Seul tem uma política de "três nãos" em relação ao vizinho: não desejar o colapso da Coreia do Norte, não tentar a reunificação via absorção e não procurar a reunificação via meios artificiais.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas