Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pentágono nega que avião russo tenha 'expulsado' bombardeiro americano do Báltico

O Pentágono não concorda que o bombardeiro estratégico norte-americano B-52H tenha sido expulso por um caça russo Su-27 sobre o mar Báltico, comunicou à Sputnik o representante da entidade militar americana Eric Pahon.
Sputnik

"O avião da Força Aérea dos EUA B-52H realizava operações rotineiras no espaço aéreo internacional segundo o princípio da liberdade de navegação e de voo. Em 20 de março, o B-52H teve um encontro ordinário com um Su-27 russo que efetuava operações sobre o mar Báltico", esclareceu o porta-voz do Pentágono.

Pahon acrescentou que o Su-27 não expulsou o B-52H, que conseguiu completar a sua missão.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou um vídeo de caças russos escoltando um bombardeiro estratégico americano Boeing B-52H sobre as águas neutras do mar Báltico. Segundo o comunicado, dois caças Su-27 levantaram voo para identificar e acompanhar a aeronave dos EUA.

De acordo com o Ministério, após o B-52H ter mudado de trajetória, distanciando-se da f…

Japão compra sistema americano de defesa antimíssil mais avançado por bilhões de dólares

Em breve o Japão receberá um dos sistemas de defesa antimíssil mais avançados do mundo, com capacidade de neutralizar potenciais ameaças da China e da Coreia do Norte.


Sputnik

Segundo informam fontes do governo japonês, citadas pela Reuters, nos próximos dias, o Japão concretizará a aquisição dos sistemas de defesa antimíssil Aegis Ashore norte-americanos.

Sistema de defesa antimíssil estadunidense Aegis Ashore
Sistemas de defesa antimíssil Aegis Ashore | CC BY 2.0 / Agência de Defesa Antimíssil dos EUA / FTO-02-E1a-002

O acordo — que foi assinado ainda em 2017 — estipula a compra de duas unidades desse sistema, que devem entrar em serviço no exército japonês em 2023.

Portanto, até segunda-feira (2), Tóquio deve decidir que tipo de radar será instalado nos sistemas. O país deve escolher entre o SPY 6 — modelo fabricado pela empresa Raytheon e o Long Range Discrimination Radar (LRDR), desenvolvido pela empresa Lockheed Martin.

As autoridades militares japonesas estimam o custo da operação aproximadamente em US$ 2 bilhões (R$ 7,7 bilhões), mas o preço final pode dobrar se forem incluídos os radares de tecnologia avançada. Vale destacar que essa compra também poderia aliviar as tensões nas relações comerciais bilaterais, que aumentaram depois de Washington ter ameaçado introduzir tarifas contra o aço e os carros importados do Japão, destacaram as fontes japonesas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas