Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Mídia norte-americana: mísseis chineses têm DNA ucraniano

Em todos os progressos da China na área de mísseis e motores de foguetes se observa a influência de engenheiros ucranianos, afirma a revista norte-americana The National Interest.


Sputnik

O colunista da revista Charlie Gao fez uma análise detalhada da relação entre a China e a Ucrânia na área de construção de mísseis balísticos e de seus componentes.

Míssil balístico intercontinental RS-20 em um parque em Orenburgo
Míssil balístico intercontinental RS-20 © Sputnik / Maxim Bogodvid

Recursos humanos

Segundo Charlie Gao, o país asiático se aproveitou das capacidades dos engenheiros ucranianos e soviéticos ao contratá-los. Desde que a Ucrânia renunciou à posse de armas nucleares em 1994, muitos engenheiros com conhecimento nessa área tornaram-se cobiçados na China.

De fato, o país asiático é conhecido por contratar especialistas da indústria militar, especialmente para a construção de tanques e navios. Foi assim que a China construiu seu primeiro sistema de radar de matriz ativa faseada.

É a partir daí que se espalharam rumores sobre cidades da China povoadas por engenheiros ucranianos que trabalham para empresas locais. Um dos exemplos mais notórios dessa cooperação foi a contratação por Pequim de Valery Babich. Babich é o criador do porta-aviões Varyag, que posteriormente foi rebatizado como Liaoning.

Projetos ressuscitados

O autor ressaltou que a China não se limitou apenas a contratar especialistas em construção de mísseis balísticos e seus componentes. Também comprou a documentação técnica, o que permitiu aos engenheiros chineses beneficiar de muitos atalhos em seu trabalho.

O autor deu o exemplo do escritório de projeto ucraniano Yuzhnoe — um colaborador foi flagrado vendendo documentação técnica do míssil RS-20.

O caso mais recente aconteceu em 2016, quando um cientista da Universidade Nacional de Dnepropetrovsk fugiu para a China na posse de documentos secretos sobre foguetes espaciais.

Compra direta

Embora muitos dos projetos do país asiático tenham recebido apoio indireto de engenheiros ucranianos, em alguns casos a China simplesmente comprou o que queria.

Exemplo: em 2005, alguns empresários ucranianos venderam à China vários mísseis de cruzeiro Kh-55 dos armazéns do país eslavo. Esses mísseis não estavam equipados com ogivas nucleares, mas forneceram informações vitais para a China.

Um caso mais recente aconteceu em 2017, quando o escritório de projeto Yuzhnoe foi acusado de vender motores de foguete para a Coreia do Norte.

Coincidências suspeitas

Por último, Gao salientou que, embora não haja provas definitivas da influência ucraniana em outros projetos, algumas coincidências suspeitas podem ser observadas.

Assim, o interesse chinês pelo míssil RS-20 radicava em seu desejo de obter um veículo de reentrada múltipla e independente (MIRV, sigla em inglês). Não se sabe se a documentação técnica desse míssil chegou ou não à China, mas os diâmetros do míssil intercontinental chinês DF-5 e do RS-20 são semelhantes.

Foram também notadas semelhanças entre outros mísseis chineses e soviéticos.

É por isso que o colunista concluiu que a experiência ucraniana influenciou direta ou indiretamente o desenvolvimento dos mísseis balísticos intercontinentais da China.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas