Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Mídia revela calcanhar de Aquiles norte-americano

Os EUA são vulneráveis perante ameaças externas por parte da Rússia, China e Coreia do Norte como nunca antes, escreve a revista The National Interest.


Sputnik

A edição cita um especialista norte-americano, de acordo com o qual os EUA não poderão responder a uma potencial agressão por parte destes países no caso de um conflito militar.

Exército dos EUA nos veículos blindados
Tropa dos EUA © AFP 2018 / ROMEO GACAD

Refira-se que a Coreia do Norte possui dezenas de ogivas nucleares. Durante o último ano o país também avançou na elaboração de tecnologias de instalação destas ogivas em vários tipos de mísseis balísticos intercontinentais.

De acordo com o especialista, Washington também não está protegido contra uma potencial ameaça proveniente de Moscou. Na sua avaliação, o arsenal nuclear russo supera significativamente o estadunidense. Na publicação se assinala que a Rússia planejou construir cidades e centros de comando subterrâneos no caso de um conflito nuclear. A partir destas instalações, as autoridades políticas e militares do país poderiam travar e, talvez, ganhar uma guerra contra os Estados Unidos.

O autor do artigo supõe que a Rússia pode ser capaz de derrubar a maioria das ogivas lançadas pelos EUA.

Além do mais, os EUA são vulneráveis perante a China. Nos túneis subterrâneos chineses podem ser posicionados centenas de mísseis balísticos móveis equipados com ogivas nucleares. E o seu número, conforme o autor, é maior do que norte-americano.

Para concluir, o autor ressalta que Washington nunca antes foi tão vulnerável perante ameaças externas. Na sua opinião, as autoridades norte-americanas têm que acelerar os ritmos de aumento do potencial nuclear do país e abandonar o START III (Tratado de Redução de Armas Estratégicas).

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas