Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China: 'Relatório do Pentágono distorce nossas intenções estratégicas'

A China rejeita firmemente as conclusões do relatório do Departamento de Defesa dos EUA sobre a situação militar e de segurança no país asiático, disse em comunicado o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Lu Kang.
Sputnik

"Em 17 de agosto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos divulgou o relatório sobre a situação militar e de segurança na China, interpretando mal as intenções estratégicas da China e apresentando a chamada ‘ameaça militar chinesa' […] Os militares chineses expressam sua firme oposição a esse respeito", diz a declaração.

"As alegações do relatório dos EUA são pura especulação", disse Kang, explicando que o programa de modernização do Exército chinês se destina a defender "os interesses da soberania, segurança e desenvolvimento do país" e para "providenciar a paz, estabilidade e prosperidade globais".

O porta-voz do ministério chinês também reiterou a posição firme de seu país em relação a Taiwan, que ele definiu como u…

Mídia revela calcanhar de Aquiles norte-americano

Os EUA são vulneráveis perante ameaças externas por parte da Rússia, China e Coreia do Norte como nunca antes, escreve a revista The National Interest.


Sputnik

A edição cita um especialista norte-americano, de acordo com o qual os EUA não poderão responder a uma potencial agressão por parte destes países no caso de um conflito militar.

Exército dos EUA nos veículos blindados
Tropa dos EUA © AFP 2018 / ROMEO GACAD

Refira-se que a Coreia do Norte possui dezenas de ogivas nucleares. Durante o último ano o país também avançou na elaboração de tecnologias de instalação destas ogivas em vários tipos de mísseis balísticos intercontinentais.

De acordo com o especialista, Washington também não está protegido contra uma potencial ameaça proveniente de Moscou. Na sua avaliação, o arsenal nuclear russo supera significativamente o estadunidense. Na publicação se assinala que a Rússia planejou construir cidades e centros de comando subterrâneos no caso de um conflito nuclear. A partir destas instalações, as autoridades políticas e militares do país poderiam travar e, talvez, ganhar uma guerra contra os Estados Unidos.

O autor do artigo supõe que a Rússia pode ser capaz de derrubar a maioria das ogivas lançadas pelos EUA.

Além do mais, os EUA são vulneráveis perante a China. Nos túneis subterrâneos chineses podem ser posicionados centenas de mísseis balísticos móveis equipados com ogivas nucleares. E o seu número, conforme o autor, é maior do que norte-americano.

Para concluir, o autor ressalta que Washington nunca antes foi tão vulnerável perante ameaças externas. Na sua opinião, as autoridades norte-americanas têm que acelerar os ritmos de aumento do potencial nuclear do país e abandonar o START III (Tratado de Redução de Armas Estratégicas).

Postar um comentário

Postagens mais visitadas