Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Mísseis iemenitas atingem centros reais em Riad

As unidades de mísseis do exército iemenita e de comitês populares atacaram o centro de informações do Ministério da Defesa da Arábia Saudita e outros locais afiliados a centros reais em Riad com mísseis balísticos, informou a rede de notícias Almasira no domingo à noite.


Pars Today

Almasira disse que os mísseis disparados eram do tipo Burkan, mas não mencionaram os nomes dos centros reais alvos do exército iemenita.

Mísseis iemenitas atingem centros reais em Riad

A imprensa saudita confirmou que um míssil foi disparado contra Riad, mas afirmou que foi interceptado e destruído pelas unidades de defesa aérea.

O novo ataque com mísseis ocorreu 10 dias depois que o exército do Iêmen e os comitês populares lançaram um míssil balístico no centro militar de Al-Faisal, em Jizan, a sudoeste da Arábia Saudita.

O general Turki AL-Malki, porta-voz das forças de coalizão lideradas pela Arábia Saudita, confessou na segunda-feira que até agora 149 mísseis foram disparados do Iêmen para Arábia Saudita.

Analistas militares acreditam que com uma escalada nos combates no Iêmen, a queima simultânea de 50 mísseis iemenitas na empresa de petróleo Aramco, em Jizan, a maior refinaria de petróleo do mundo, que fornece 70 por cento das importações de petróleo da Europa, será destruída e os EUA enfrentarão uma crise do petróleo.

Em março de 2015, a Arábia Saudita e alguns de seus aliados árabes, incluindo os Emirados Árabes Unidos, lançaram uma agressão ao Iêmen em uma tentativa de retornar ao poder o presidente iemenita Abdrabbuh Mansour Hadi.

A guerra imposta ao Iêmen pela Arábia Saudita e seus aliados árabes nos últimos três anos não só não prejudicou a recém-nascida revolução do povo iemenita, mas também infligiu pesadas baixas e perdas materiais aos dois principais membros da coalizão - Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas