Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Estratégia de defesa antimísseis dos EUA: Coreia do Norte é 'ameaça extraordinária'

O presidente dos EUA, Donald Trump, deve anunciar uma estratégia de defesa antimísseis renovada nesta quinta-feira, na qual A Coreia do Norte é classificada como uma "ameaça extraordinária".
Sputnik

O fato ocorre mesmo sete meses depois do presidente norte-americano declarar que o risco nuclear de Pyongyang foi eliminado.


"Apesar de um possível novo caminho para a paz com a Coreia do Norte agora existir, o país continua a representar uma ameaça extraordinária e os Estados Unidos devem permanecer vigilantes", adverte o relatório, 2019 Missile Defence Review, em seu resumo executivo.

Além da Coreia do Norte, o documento destaca as preocupações sobre o avanço das capacidades da do Irã, da Rússia e da China.

"As capacidades de mísseis dos adversários dos EUA, como Coreia do Norte e Irã, continuam a desempenhar um papel significativo na estratégia de defesa dos EUA", disse o secretário de Defesa dos EUA, Patrick Shanahan, durante a apresentação do relatório.

Netanyahu: Irã quer arsenal nuclear para destruir Israel

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, comentou a recente declaração de Teerã sobre o início do enriquecimento de urânio aumentado.


Sputnik

"Dois dias atrás, o aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, disse que pretende destruir Israel. Ontem ele explicou como quer fazer isso – com enriquecimento de urânio ilimitado para criar um arsenal de bombas nucleares", afirmou o primeiro-ministro de Israel.

Resultado de imagem para Benjamin Netanyahu
Benjamin Netanyahu | Reprodução

Netanyahu também frisou que Israel não está surpreendido com os planos do Irã de reforçar suas capacidades de enriquecimento, prometendo que vai impedir que o país persa obtenha armas nucleares.

"Não estamos surpreendidos. Não permitiremos que o Irã obtenha armas nucleares", reforçou.

Segundo o diário Haaretz, o Irã disse à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que vai aumentar as capacidades do enriquecimento de urânio no âmbito dos limites estabelecidos pelo acordo de 2015.

Mais cedo hoje (5), o chefe da energia atômica do Irã, Ali Akbar Salehi, especificou que Teerã desenvolveu uma infraestrutura para produzir eletricidade na usina de Natanz, adicionando que o país notificou a ONU que iria instalar centrifugas lá para enriquecer urânio.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, prometeu em 4 de junho que o país vai manter o seu programa nuclear apesar da retirada dos EUA do acordo. O Irã disse que tem a opção de reiniciar o enriquecimento à escala industrial, agora que os EUA deixaram de ser parte do Plano de Ação Conjunto Global (JPCOA na sigla em inglês).

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas