Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump reconhece soberania de Israel sobre Colinas de Golã

Ao lado de Netanyahu, presidente dos EUA contradiz décadas de política externa e reconhece a soberania de Israel sobre o território, ocupado em 1967 e anexado em 1981. Síria vê ataque a sua integridade territorial.
Deutsch Welle

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reconheceu formalmente nesta segunda-feira (25/03) a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, um território disputado com a Síria e que Israel anexou em 1981.

O governo do presidente sírio, Basahr al-Assad, respondeu de imediato e afirmou que a decisão é um ataque à soberania e à integridade territorial da Síria.

O decreto de reconhecimento foi assinado no início de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, em Washington. Trump justificou a medida com as "ações agressivas" do Irã e de grupos "terroristas" contra Israel.

Netanyahu disse que se trata de um dia histórico e que Trump é o melhor amigo que Israel já teve.

Em Israel, o reconhecimento pode significar um forte i…

Netanyahu: Irã quer arsenal nuclear para destruir Israel

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu, comentou a recente declaração de Teerã sobre o início do enriquecimento de urânio aumentado.


Sputnik

"Dois dias atrás, o aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, disse que pretende destruir Israel. Ontem ele explicou como quer fazer isso – com enriquecimento de urânio ilimitado para criar um arsenal de bombas nucleares", afirmou o primeiro-ministro de Israel.

Resultado de imagem para Benjamin Netanyahu
Benjamin Netanyahu | Reprodução

Netanyahu também frisou que Israel não está surpreendido com os planos do Irã de reforçar suas capacidades de enriquecimento, prometendo que vai impedir que o país persa obtenha armas nucleares.

"Não estamos surpreendidos. Não permitiremos que o Irã obtenha armas nucleares", reforçou.

Segundo o diário Haaretz, o Irã disse à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) que vai aumentar as capacidades do enriquecimento de urânio no âmbito dos limites estabelecidos pelo acordo de 2015.

Mais cedo hoje (5), o chefe da energia atômica do Irã, Ali Akbar Salehi, especificou que Teerã desenvolveu uma infraestrutura para produzir eletricidade na usina de Natanz, adicionando que o país notificou a ONU que iria instalar centrifugas lá para enriquecer urânio.

O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, prometeu em 4 de junho que o país vai manter o seu programa nuclear apesar da retirada dos EUA do acordo. O Irã disse que tem a opção de reiniciar o enriquecimento à escala industrial, agora que os EUA deixaram de ser parte do Plano de Ação Conjunto Global (JPCOA na sigla em inglês).

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas