Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Nos EUA, radioamadores interceptam sinal para 'início de guerra nuclear'

Na madrugada desta quarta-feira (27), as forças nucleares dos EUA treinaram ações para o caso de início de uma guerra nuclear. De bases aéreas nas costas do Atlântico e Pacífico levantaram voo bombardeiros estratégicos B-52 Stratofortress e B-2 Spirit, treinando como evitar serem atingidos por ataques nucleares do adversário convencional.


Sputnik

A trajetória de voo dos bombardeiros foi registrada pelos serviços de monitoramento de tráfego aéreo. Um B-52 decolou da base aérea de Barksdale, em Louisiana, percorreu cerca de 150 milhas (241,5 km) sobre o Pacífico e regressou à base. Em seguida, outro B-52 levantou voo da base de Eugene, no Oregon. Atingindo o litoral, o último voltou à base.

Avião militar norte-americano B-2 Spirit
© flickr.com / AereiMilitari.org

Um par de bombardeiros furtivos B-2 decolou da base de Whiteman, em Missouri, percorreu uma trajetória de 200 milhas (321,8 km) e desapareceu dos radares, tendo desligado pelo visto os transponders.

Enquanto isso, vários radioamadores interceptaram conversações dos pilotos de um B-52 com o seu comando, comunicou a edição The Drive. As conversações não estavam cifradas.

De acordo com a edição, se tratou de uma ordem sobre ações de emergência (EAM na sigla em inglês), um comando enviado às Forças Nucleares dos EUA para estas atuarem de acordo com o cenário de um ataque global ou limitado. A EAM é transmitida em todas as frequências usadas para recepção pelas guarnições dos mísseis no solo, no ar e debaixo d’água.

A mensagem é uma ordem direta para ação. Em caso de recepção dela em condições de guerra real, o B-52 lançaria contra os alvos previamente determinados 20 mísseis de cruzeiro AGM-86B equipadas com ogivas termonucleares.

Segundo a edição, para utilizar as armas nucleares, nos computadores dos B-52 devem ser introduzidos códigos especiais e, antes do lançamento do míssil, cada membro da tripulação deve apertar um botão especial de concordância. Caso eles não o façam, a Terceira Guerra Nuclear não começará.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas