Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

'Novos jogos' dos EUA: especialista comenta ataque contra exército sírio

O Pentágono negou realização de ataques da coalizão ocidental contra tropas sírias. O especialista Vladimir Fitin contou sua versão do acontecido para o serviço russo da Rádio Sputnik.


Sputnik

O Pentágono está refutando notícias quanto a ataques da Força Aérea dos EUA ou Forças Armadas da coalizão contra tropas sírias na região de Al-Bukamal.

Combatentes de oposição passando pela área de al-Breij, Síria
Terroristas em al-Breij, Síria © AFP 2018 / Fadi al-Halabi

"Não se trata de ataque efetuado pelos EUA ou pela coalizão", declarou à Sputnik o porta-voz do Pentágono, Adrian Rankine-Galloway.

Mais anteriormente, a agência de notícias síria SANA relatou que forças da coalizão internacional, lideradas pelos EUA, atacaram posições do exército sírio na província de Deir ez-Zor, deixando mortos e feridos.

Vale destacar que o representante oficial do Ministério da Defesa da Rússia, Igor Konashenkov, declarou, citando informações de alguns canais, que o Exército Livre da Síria e forças especiais dos EUA estariam preparando uma provocação com uso de substâncias químicas na província de Deir ez-Zor.

O especialista russo do Instituto de Estudos Estratégicos, Vladimir Fitin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, avaliou a situação.

"São muito provavelmente novos jogos dos norte-americanos. O objetivo dos EUA é impedir estabilização da situação na Síria. Com tais ações eles tentam preservar o controle do nordeste da Síria nas mãos das forças que eles apoiam, ou seja, da região de Deir ez-Zor a Al-Bukamal. O mesmo acontece no sul, na região de Al-Tanf, onde está sua base. Tentam de todas as formas impedir que o poder do governo legítimo se espalhe por estas regiões. Por isso, são possíveis quaisquer provocações aqui, que vão de inúmeros casos de alegado uso de armas químicas a ataques aéreos que, sem dúvidas, ninguém confessa [ter realizado]. Parando para pensar, em quais interesses são realizados os ataques a não ser os da coalizão liderada pelos EUA? Além disso, ninguém tem armamento deste tipo, somente eles", afirmou Fitin.

As ações da coalizão internacional vêm causando morte constante de civis na Síria. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia reafirma que as ações dos EUA e da coalizão internacional são efetuadas sem autorização de Damasco.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas