Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

'Novos jogos' dos EUA: especialista comenta ataque contra exército sírio

O Pentágono negou realização de ataques da coalizão ocidental contra tropas sírias. O especialista Vladimir Fitin contou sua versão do acontecido para o serviço russo da Rádio Sputnik.


Sputnik

O Pentágono está refutando notícias quanto a ataques da Força Aérea dos EUA ou Forças Armadas da coalizão contra tropas sírias na região de Al-Bukamal.

Combatentes de oposição passando pela área de al-Breij, Síria
Terroristas em al-Breij, Síria © AFP 2018 / Fadi al-Halabi

"Não se trata de ataque efetuado pelos EUA ou pela coalizão", declarou à Sputnik o porta-voz do Pentágono, Adrian Rankine-Galloway.

Mais anteriormente, a agência de notícias síria SANA relatou que forças da coalizão internacional, lideradas pelos EUA, atacaram posições do exército sírio na província de Deir ez-Zor, deixando mortos e feridos.

Vale destacar que o representante oficial do Ministério da Defesa da Rússia, Igor Konashenkov, declarou, citando informações de alguns canais, que o Exército Livre da Síria e forças especiais dos EUA estariam preparando uma provocação com uso de substâncias químicas na província de Deir ez-Zor.

O especialista russo do Instituto de Estudos Estratégicos, Vladimir Fitin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, avaliou a situação.

"São muito provavelmente novos jogos dos norte-americanos. O objetivo dos EUA é impedir estabilização da situação na Síria. Com tais ações eles tentam preservar o controle do nordeste da Síria nas mãos das forças que eles apoiam, ou seja, da região de Deir ez-Zor a Al-Bukamal. O mesmo acontece no sul, na região de Al-Tanf, onde está sua base. Tentam de todas as formas impedir que o poder do governo legítimo se espalhe por estas regiões. Por isso, são possíveis quaisquer provocações aqui, que vão de inúmeros casos de alegado uso de armas químicas a ataques aéreos que, sem dúvidas, ninguém confessa [ter realizado]. Parando para pensar, em quais interesses são realizados os ataques a não ser os da coalizão liderada pelos EUA? Além disso, ninguém tem armamento deste tipo, somente eles", afirmou Fitin.

As ações da coalizão internacional vêm causando morte constante de civis na Síria. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia reafirma que as ações dos EUA e da coalizão internacional são efetuadas sem autorização de Damasco.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas