Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: Rússia e Turquia decidirão que grupos deixarão zona de Idlib

Rússia e Turquia irão determinar em conjunto quais grupos radicais deverão deixar o território da zona desmilitarizada de Idlib, na Síria, segundo afirmou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, neste domingo.
Sputnik

"Durante negociações sobre Idlib em Sochi, nós decidimos estabelecer uma zona desmilitarizada entre os territórios controlados pela oposição e pelo regime. A oposição permanecerá nos territórios que ela ocupa. Vamos garantir que os grupos radicais, designados em conjunto com a Rússia, não operem na região", disse Erdogan em artigo publicado pelo jornal russo Kommersant

Ainda de acordo com o líder turco, Washington segue atrapalhando o equilíbrio na região com seu apoio às Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG) e ao Partido da União Democrática (PYD) na Síria, considerados adversários de Ancara.

"Infelizmente, vemos que o apoio extraordinário que tem sido prestado recentemente, especialmente pelos Estados Unidos, às forças do YPG e do PYD, continua. Tais …

OTAN prepara unidade de 30 mil soldados para retaliar alegada 'invasão russa'

A Aliança Atlântica pretende aumentar a sua prontidão de combate no caso de um possível "ataque russo", comunicou neste sábado (2), a edição Die Welt, citando funcionários de alto escalão da organização.


Sputnik

Segundo a edição, a OTAN quer criar uma unidade operacional, composta por 30 mil militares dos países da aliança. Prevê-se que a unidade tenha em seu dispor várias centenas de caças e navios.

Forças Armadas da Alemanha
Militares alemães © AFP 2018 / John MacDougall

A unidade de reserva será integrada à Força de Reação Rápida da Aliança Atlântica (Response Force), que no momento contabiliza aproximadamente 20 mil militares. O prazo exigido para pô-la em estado de prontidão de combate é de 30 dias.

A Alemanha é considerada o país-chave da nova unidade, contudo, o diplomata entrevistado pela edição precisou que a iniciativa da criação da unidade pertenceu a Washington.

"Precisamos de aprender a reposicionar um grande número de soldados e equipamento de forma mais rápida possível para poder resistir com confiança a uma invasão", explicou o diplomata.

Os ministros da Defesa da Aliança Atlântica debaterão a criação da unidade no decorrer de um encontro que terá lugar em Bruxelas nos dias 7 e 8 de junho. Em meados de julho os integrantes da aliança devem adotar uma declaração política.

A Rússia vem expressando repetidamente suas preocupações quanto ao crescimento da presença militar da OTAN perto de suas fronteiras. Em abril, durante a reunião do Conselho de Segurança da ONU, o presidente russo, Vladimir Putin, indicou que a OTAN está tentando "provocar novos conflitos e agravar os antigos no espaço pós-soviético".

O chanceler russo, Sergei Lavrov, indicou que nenhuma ação da OTAN "aumenta a segurança de ninguém".

Postar um comentário

Postagens mais visitadas