Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Palavras que não valem nada? Analista sobre o 'reconhecimento' da Crimeia por Trump

Segundo os jornalistas, o presidente dos EUA, Donald Trump, não descartou a possibilidade de considerar a Crimeia como parte integrante da Rússia. O analista Stanislav Byshok comentou essa declaração de Trump.


Sputnik

Em 29 de junho, durante seu briefing na Casa Branca, Trump não descartou reconhecer a Crimeia como parte da Rússia, bem como retirar as sanções aplicadas a Moscou.

Resultado de imagem para ponte da crimeia
Ponte da Crimeia

"É um estilo comum de Trump – mostrar incerteza e que tudo pode mudar […] Para os EUA em geral e para o próprio Trump a Crimeia não representa um grande valor, porque tem outras tarefas", afirmou o especialista ao canal RT.

Segundo Byshok, o presidente dos EUA entende que a península da Crimeia é importante para a Rússia e, por isso, no contexto do futuro encontro com o presidente da Rússia Vladimir Putin, decidiu "ampliar o espaço para a incerteza e oportunidades".

"Entretanto, há que entender que Trump não é uma pessoa omnipotente, no país existe um sistema de freios e contrapesos. Consequentemente, mesmo que desejasse com todo o seu coração reconhecer a Crimeia [como parte integrante da Rússia], levantar as sanções e assim por diante, isso não acontecerá", explicou o analista.

Ele acrescentou que entre os Partidos Democrata e Republicano dos EUA ainda há um "estável consenso antirrusso", por isso agora é impossível que Washington levante as sanções ou reconheça a Crimeia.

"O objetivo de Trump é ser reeleito para o próximo mandato. Por isso não deve brigar, pelo menos, com sua base, o Partido Republicano. Tendo em consideração que os republicanos acham que a Rússia é um Estado hostil […] nenhuma coisa vai ser reconhecida. Mas Trump, sendo negociador experiente, pode faz essas reverências que não valem nada", concluiu ele.

Desde 2014, as relações entre Moscou e Washington se deterioraram devido à crise na Ucrânia e à reunificação da Crimeia à Rússia após um referendo. Os Estados Unidos e seus aliados não reconhecem os resultados do referendo, mas a Rússia sustenta que o plebiscito foi realizado em plena conformidade com o direito internacional.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas