Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Pentágono perde metade de seus aviões estratégicos em 1 dia: o que se passa?

Uma vez que a investigação do recente incidente com o bombardeiro B-1B Lancer terminou, a Força Aérea dos EUA decidiu suspender temporariamente todos os voos dessas aeronaves por razões de segurança.


Sputnik

Em 1º de maio, a tripulação de um B-1B Lancer viveu uma situação de emergência e tomou a decisão de deixar a aeronave, mas não conseguiu fazê-lo devido a uma falha no sistema de ejeção. Por isso, o avião fez um pouso de emergência em Midland, no estado norte-americano do Texas.

Bombardeiros B-1B Lancer dos EUA e caças F-15 da Coreia do Sul
Bombardeiro B-1B Lancer escoltado por dois F-15 Eagle da USAF © REUTERS / Kamaile Casillas/Pacific Air Forces/DVIDS

Dado o perigo potencial para os pilotos, foi decidido suspender todos os voos do B-1B Lancer a partir de 7 de junho.

No entanto, não foi especificado quando os bombardeiros americanos cruzariam os céus novamente.

"Parece que não vale a pena esperar que eles participem no futuro próximo dos vários ataques que o Pentágono realiza em todo o mundo 'em nome da democracia'. Por isso, os habitantes das cidades sírias podem dormir em paz. Nesta região o comando dos EUA tem apenas os B-1B temporariamente suspensos de voar", escreve Vladimir Scherbakov, autor da edição Nezavisimoe Voennoe Obozrenie.

Ao mesmo tempo, Scherbakov observa que a aviação estratégica dos EUA está sofrendo uma crise geral.

O especialista disse que os Estados Unidos também têm os aviões B-52H e B-2A, mas "os primeiros são muito velhos e lentos, enquanto os segundos são caros demais para serem usados em operações onde a existência dos EUA como Estado independente não está em perigo".

O analista também destaca que o B-2A corre o risco de "sofrer um acidente como o de 2008 e abrir outro rombo de vários milhões de dólares no orçamento dos EUA". Naquele momento, a aeronave ardeu logo depois de decolar.

De acordo com Scherbakov, esta é uma tendência alarmante, tanto para a segurança dos voos da Força Aérea dos EUA (durante os últimos cinco anos, o número de acidentes aumentou 39% e ultrapassou 5.500), quanto para a preparação psicológica os pilotos.

No entanto, fontes da Força Aérea dos EUA asseguraram à CNN que a suspensão dos voos não afetará as operações militares no Iraque, na Síria e no Afeganistão.

Os bombardeiros estratégicos B-1B Lancer foram postos em serviço em 1986 e são capazes de transportar a maior carga útil de todos os aviões militares dos EUA.

Para a Força Aérea dos EUA, esta é a principal aeronave de sua frota de bombardeiros de longo alcance. Essas aeronaves participaram inclusive dos ataques às instalações na Síria que os EUA, juntamente com o Reino Unido e a França, realizaram em abril do ano corrente.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas