Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Político estadunidense reconhece que país pode subestimar arsenal nuclear da Rússia

O erro nos cálculos dos EUA quanto ao número de ogivas nucleares que estão armazenadas na Rússia pode chegar até milhares de unidades, pois Washington não dispõe de informações precisas sobre isso, disse o ex-secretário de Defesa dos EUA, William Perry.


Sputnik

"O cálculo de ogivas é uma tarefa basicamente difícil. Na realidade, até hoje os EUA ainda não sabem quantas ogivas a Rússia tem nos seus armazéns, e os erros nos nossos cálculos podem chegar até milhares de unidades", afirmou ele em Genebra durante a abertura do Fórum Internacional de Luxemburgo de Prevenção de Catástrofes Nucleares.

Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov
Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov © Sputnik / Oleg Lastochkin

Em abril, os altos representantes russos comunicaram que o país reduziu seu arsenal nuclear mais de 85% e continua fiel ao Tratado de Redução das Armas Estratégicas, enquanto os EUA ignoraram os índices exigidos nas suas cláusulas, inclusive através de manipulações incorretas não previstas pelo documento.

O tratado, assinado pelos EUA e Rússia em 2010, entrou em vigor em 5 de fevereiro de 2011. Ele prevê que cada lado reduza seus arsenais de maneira que daqui a sete anos a quantidade total de armamentos não exceda 7.000 mísseis balísticos intercontinentais, mísseis balísticos instalados em submarinos e em bombardeiros pesados, bem como 1.550 ogivas e 800 instalações de lançamento instaladas e não instaladas.

O acordo exige que a Rússia e os EUA troquem as respectivas informações duas vezes por ano.

Em 5 de fevereiro de 2018, chegou o prazo limite em que as duas partes deveriam alcançar os índices estabelecidos pelo tratado. O prazo de funcionamento dele expira em 2021.

O Fórum Internacional de Prevenção de Catástrofes Nucleares começou hoje (11) em Genebra e reúne 49 especialistas de 14 países com a finalidade de analisar os desafios atuais no campo nuclear.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas