Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Temos armas hipersônicas': Rússia dará resposta à saída dos EUA do Tratado INF, diz Putin

A Rússia não deixará a decisão dos Estados Unidos de retirar-se unilateralmente do tratado de armas nucleares sem resposta, garantiu o presidente russo Vladimir Putin, acrescentando que o país não precisa se unir a outra corrida armamentista.
Sputnik

Moscou ainda está pronta para continuar dialogando com Washington sobre o tratado bilateral que proíbe os mísseis de médio alcance, que se tornou uma das pedras angulares do desarmamento nuclear, disse o líder russo em uma reunião do governo em Sochi. Ainda assim, os EUA devem "tratar esta questão com total responsabilidade", disse o presidente, acrescentando que a decisão de Washington de retirar-se do acordo "não pode e não ficará sem resposta".


Estas não são ameaças vazias, advertiu Putin. Ele disse que a Rússia já havia advertido os EUA contra a saída do tratado ABM que regulamenta os sistemas de mísseis e avisou Washington sobre possíveis retaliações. "Agora, temos armas hipersônicas capazes de penetrar qualquer…

Prosub: comparativo Tupi, S-BR e SN-BR

Quando visitamos o Complexo Naval de Itaguaí, em 4 de junho, foi distribuído como subsídio informativo um folheto com uma interessante tabela comparativa. A tabela traz dados (boa parte deles apenas aproximados, como é de se esperar para informações sensíveis) comparando os submarinos da classe “Tupi”, atualmente em serviço na Marinha do Brasil, com os futuros S-BR, de propulsão convencional diesel-elétrica, e SN-BR, de propulsão nuclear, do Prosub (Programa de Desenvolvimento de Submarinos).


Por: Fernando “Nunão” De Martini | Poder Naval

Publicamos abaixo uma reprodução da tabela, na qual se pode conferir várias informações de interesse para discussão.


Autonomia 

Uma dessas informações é a considerável diferença de autonomia entre o S-BR e a classe “Tupi”: um aumento de 45 dias para 70 dias. Como comparação, o Scorpene original, como o modelo operado pelo Chile, sem a seção acrescentada ao S-BR que permitiu ampliar a capacidade de combustível e víveres (além de melhorar a habitabilidade), tem autonomia de cerca de 50 dias.

Em relação à classe “Tupi”, o S-BR poderá navegar até 13.000 milhas (com snorkel), contra 10.000 milhas náuticas. Já no caso do SN-BR, devido ao reator nuclear que pode produzir energia por vários anos antes da troca dos elementos combustíveis nucleares, o limite para sua autonomia é dado pela resistência de sua tripulação e duração dos víveres transportados a bordo, e não pelo combustível (diesel) transportado nos tanques, como é o caso dos convencionais.


Velocidades 

A velocidade máxima “snorkeando” do S-BR e da classe “Tupi” é superior a 11 nós, conforme a tabela. Já sem o uso do snorkel, ou seja, abaixo da cota periscópica e empregando apenas a energia acumulada nas baterias, o alcance indicado no folheto é o mesmo: 400 milhas náuticas a 4 nós (o que, numa conta simples, significa 100 horas de navegação mergulhado a essa velocidade). Ambos os tipos são capazes de velocidades de pico (submersos e empregando apenas a energia das baterias) de cerca de 20 nós, porém sabe-se que essa velocidade pode esgotar as baterias em poucas horas – embora esse tempo não seja, obviamente, divulgado.

Porte do SN-BR 

Em relação ao submarino nuclear, primeiramente chama a atenção o seu porte: com o comprimento total superior a 100 metros e diâmetro interno do casco resistente maior que 9 metros, o deslocamento do SN-BR está projetado em aproximadamente 6000 toneladas quando na superfície, e 6.500 toneladas em imersão. Esses números são semelhantes aos da consagrada classe “Los Angeles” de submarinos nucleares da Marinha dos Estados Unidos. Abaixo, uma comparação do S-BR com o SN-BR:

Velocidade do SN-BR 

Outro dado que chamou a atenção foi a velocidade máxima do SN-BR quando mergulhado (abaixo da cota periscópica), divulgada no folheto como “>19 nós”. Em comparação, os dados do S-BR e da classe “Tupi”, na mesma tabela, são de >20 nós. Essa velocidade máxima do SN-BR causou estranhamento à primeira vista. É certo que esse valor, ou números próximos a ele, poderão ser mantidos por longo tempo no SN-BR, devido à propulsão nuclear que permite grandes deslocamentos submersos em alta velocidade, frente às pouquíssimas horas permitidas pelas baterias no caso dos submarinos convencionais, quando em velocidades de pico semelhantes.

Também é certo, por outro lado, que o porte do SN-BR (6.500t), é cerca de duas vezes maior que, por exemplo, a classe “Rubis” francesa, equipada com reator de potência térmica similar, de 48MWt, e que é creditada com velocidades acima de 25 nós em mergulho. Ainda assim, esperávamos um valor que, mesmo eventualmente abaixo da classe “Rubis” devido ao porte maior do SN-BR frente a uma potência semelhante, ficaria não tão distante dela – mesmo porque, em materiais mais antigos divulgados pela própria Marinha, dizia-se que “a planta de propulsão, desenvolvida pelo Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo, garantirá a navegação à velocidade acima de 20 nós.” Clique aqui para baixar folder do Prosub com essa informação, do qual reproduzimos abaixo uma parte:


Porém, é fato que, mundialmente, esses dados não costumam ser divulgados em números exatos, por serem classificados – velocidades máximas em emergência, por exemplo, costumam ser mais altas que as máximas divulgadas para o público. Daí também o costume de não divulgar valores exatos, e sim com o uso do “maior que” (símbolo >). E isso não é diferente no caso do programa brasileiro, e nem deveria ser. Questionamos nosso anfitrião na visita a Itaguaí, Contra-Almirante (EN) Celso Muzutani Koga, Gerente do Empreendimento Modular de Obtenção de Submarinos, sobre essa informação. Ele gentilmente nos respondeu que, realmente, esse dado é classificado, e que a informação que pode ser disponibilizada é a que está no folheto.

Como o projeto do SN-BR seguiu para a fase de detalhamento, e as obras no protótipo em terra de sua propulsão nuclear (LABGENE) prosseguem com previsão de testes completos e início de comissionamento em 2021 (e a tecnologia que permite o aproveitamento da potência térmica de reatores evoluiu desde a mencionada classe “Rubis”), as variáveis que poderão influir na velocidade máxima do primeiro submarino nuclear brasileiro – seja ela divulgada ou não – ainda poderão passar por alterações até que ele esteja em construção, o que é previsto para meados da próxima década.

Sonares e comunicações 

Entre outras informações disponibilizadas na tabela, de interesse para a discussão, estão a introdução no Prosub de tecnologias e capacidades não existentes na atual classe “Tupi”, não só na detecção, como o uso de sonar de flanco (Flank Array – LOFAR), como na comunicação, com sistemas Narrow Band (Longa distância e Classificação) e capacidade VLF em imersão, com uso de antena flutuante. O SN-BR deverá dispor de sonar rebocado (Towed Array – LOFAR). Em comum entre S-BR e SN-BR, estão os mastros não penetrantes para os periscópios optrônicos, radar e comunicações (nos Tupis, apenas as Medidas de Apoio à Guerra Eletrônica – MAGE – e o esnorquel não são do tipo penetrante).

Observação: a concepção artística do alto da matéria mostra o submarino Tikuna por motivos estéticos, assim como um SN-BR com lemes em X, apenas para fins ilustrativos. As configurações do SN-BR mais recentes divulgadas são semelhantes às do S-BR, como a versão em escala reduzida para testes em tanques de prova da foto abaixo:



Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas