Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

Pyongyang aconselha EUA a terem 'cuidado com as palavras'

Na sexta-feira (1), as autoridades norte-coreanas emitiram um comunicado em que aconselharam os EUA a terem "cuidado com as palavras", porque a situação na península da Coreia exige "uma abordagem cuidadosa e responsável".


Sputnik

Em 31 de maio, um representante do Congresso dos EUA definiu a Coreia do Norte como uma "ameaça global" e exigiu "a extensão e o aumento das sanções". Para Pyongyang, frases desse tipo são "inapropriadas" para estabelecer conversações bilaterais e elaborar a paz, informou agência de notícias estatal norte-coreana KCNA.

As pessoas a ver o lançamento do míssil balístico Hwasong-12 na televisão da estação ferroviária em Pyongyang, Coreia do Norte, 16 de setembro de 2017
Apresentação do lançamento do míssil norte-coreano Hwasong-12 © AP Photo/ Jon Chol Jin

Embora a Coreia do Norte e os EUA mantenham "relações hostis há décadas", eles estão desenvolvendo um processo de diálogo e assim "os políticos norte-americanos devem ser mais prudentes com sua linguagem".

"Respeitamos a liberdade de expressão, mas nunca podemos tolerar uma terminologia e um comportamento que visem destruir o ambiente pacífico atual e agravar a situação na península da Coreia", lê-se no comunicado.

Além disso, as autoridades norte-coreanas sublinharam que qualquer político deve ter duas qualidades principais: "observar bem a tendência atual" e "ter cuidado com as palavras".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas