Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

Rússia assume liderança do Conselho de Segurança em tenso cenário

Rússia assume hoje a presidência rotatória do Conselho de Segurança da ONU, em meio a um complexo cenário, a raiz do projeto de resolução apresentado pelo Kuwait sobre a necessidade de proteger os palestinos.


Prensa Latina
Nações Unidas - Segundo fontes diplomáticas, espera-se que nesta sexta-feira se realize a votação a respeito e ontem, a representação dos Estados Unidos na ONU anunciou que 'vetará sem lugar a dúvidas o projeto'.

Conselho de Segurança da ONU | Reprodução

Por meio de um comunicado, a missão norte-americana assinalou que os que escolham votar a favor demonstrarão sua própria falta de aptidão para participar em negociações plausíveis entre as duas partes.

Ademais, Estados Unidos culpou o Hamas pela violência em Gaza e defendeu as ações de Israel como autodefesa, ainda que a repressão das forças militares de Tel Aviv tenham causado mais de 100 baixas palestinas, enquanto do outro lado nem se registram mortes.

Os demais membros do Conselho de Segurança criticam o uso excessivo da força por parte de Israel contra manifestantes pacíficos e destacam a necessidade de oferecer maior proteção aos civis palestinos, como pede o projeto de resolução apresentado pelo Kuwait.

Também apostam pela solução de dois Estados (Israel e Palestina), de acordo com as fronteiras estabelecidas em 1967 e com Jerusalém como capital compartilhada.

Precisamente, a decisão unilateral dos Estados Unidos de nomear Jerusalém como a capital de Israel e transferir para ali sua embaixada, gerou mais instabilidade na região e desencadeou uma onda de protestos pacíficos dos palestinos na barreira fronteiriça de Gaza.

De acordo com o coordenador especial da ONU para o processo de paz no Oriente Médio, Nickolay Mladenov, Israel deve pôr fim a ocupação na Palestina, pois só assim poderiam começar a se dar passos para a paz e a estabilidade da região.

Enquanto aumenta a violência contra os palestinos, a infraestrutura em Gaza é abalada, quase não contam com serviços de eletricidade nem água, e faz falta melhorar o acesso e a circulação de pessoas, bem como apoiar o processo de reconciliação liderado pelo Egito, apontou.

A situação no Oriente Médio manteve-se como um ponto álgido no Conselho de Segurança durante todo o mês de maio, depois de repetidos chamados de alerta da Palestina sobre o aumento da violência na Faixa de Gaza, desencadeada em 30 de março com o início da Grande Marcha do Retorno.

Desde esse dia, os militares de Israel utilizam de maneira indiscriminada a força letal contra os manifestantes e isto tem gerado o repúdio quase unânime da comunidade internacional.

Mas Israel conta com o apoio dos Estados Unidos que - ao ser um dos membros permanentes do Conselho - bloqueia as ações desse organismo contra as autoridades de Tel Aviv.

A ocupação de Israel a Palestina, que começou há mais de 50 anos, tem provocado uma das piores crises humanitárias da história, além de privar de suas terras e seus direitos essenciais milhões de pessoas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas