Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Rússia e Turquia produzirão S-500 em conjunto? Especialista revela se isso é possível

Recentemente, o presidente turco, Recep Tayyp Erdogan, propôs ao presidente russo, Vladimir Putin, a produção conjunta de mísseis S-500. Analista militar russo comenta as perspectivas dessa proposta.


Sputnik

"A Rússia nos concedeu um crédito para a compra de S-400 em condições aceitáveis. Na segunda e terceira etapas começaremos a produção conjunta. Também propus à Rússia a produção conjunta dos S-500", cita o presidente turco a agência de notícias Anadolu.

Sistema modernizado da defesa antiaérea S-400
S-400 Triumph russo © Sputnik / Dmitriy Vinogradov

Mais cedo, o líder turco declarou que Ancara está pronta para usar os sistemas antiaéreos russos S-400 caso seja necessário. "São sistemas de defesa. O que vamos fazer com eles senão usá-los?", perguntou Erdogan.

Nessa conexão, o analista miliar Viktor Baranets avaliou a proposta de Ancara em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, comentando também a possibilidade de Moscou concordar com a ideia.

"A proposta de Erdogan parece exótica e misteriosa. Principalmente porque agora nem todos os assuntos ligados à compra dos nossos complexos S-400 usando o crédito russo por parte da Turquia estão resolvidos. Além do mais, o complexo S-500 encontra-se na fase final de testes e ainda não entrou em serviço do Exército russo", afirmou.

Assim, o analista opina que tal acordo "agora é pouco provável, visto que não temos experiência de a Rússia começar a produção conjunta de novíssimo material bélico com qualquer outro país".

Nessa conexão, ele lembrou uma antiga resolução das autoridades russas segundo a qual "uma nova arma deve primeiramente entrar em serviço do exército e só depois é possível levantar a questão da sua produção conjunta ou venda a outro país".

Em dezembro de 2017, Turquia e Rússia assinaram um contrato de venda de sistemas de mísseis antiaéreos S-400. Ancara comprará duas baterias deste sistema de defesa antiaérea, que serão operadas pelo contingente turco. Os dois lados concordaram em cooperar no desenvolvimento de produção de S-400 na Turquia. Erdogan informou que o adiantamento do contrato já foi pago.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas