Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Rússia promete 'medidas de retaliação' caso EUA produzam novas armas nucleares

A Rússia exercerá um rigoroso controle sobre a produção pelos EUA de armas nucleares de baixa potência, a fim de tomar medidas de resposta se tal for necessário, afirmou à Sputnik o presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Senado russo, Victor Bondarev.


Sputnik

Recentemente, os EUA deram início ao desenvolvimento de uma arma nuclear de baixa potência, segundo a edição Warrior Maven. Trata-se de um míssil de cruzeiro de baseamento marítimo, dotado de ogiva nuclear, bem como de mísseis de cruzeiro de longo alcance, lançados de submarinos. O Pentágono acredita que as novas armas proporcionarão uma ampla gama de opções de resposta armada às ações de um potencial adversário.

Bombardeiro B-1B da Força Aérea dos EUA (foto de arquivo)
Bombardeiro B-1B da USAF © AFP 2018 / PAUL CROCK

"A situação deve ser rigorosamente controlada, já que, caso os norte-americanos passem das palavras às ações, ao violarem o Tratado de Redução de Armas Estratégicas, deveremos tomar medidas de retaliação", assinalou Bondarev.

De acordo com ele, o potencial nuclear da Rússia, bem como o não nuclear, inclusive as novíssimas armas, permitem "responder a qualquer provável ameaça por parte de países adversários".

Bondarev frisou que, enquanto a Rússia segue comprometida com os tratados internacionais no que se refere às armas nucleares, os EUA vêm violando "todos os tratados internacionais existentes", e acabam acusando a Rússia disso mesmo.

"As declarações do Pentágono sobre o desenvolvimento de uma arma nuclear de baixa potência […] provaram mais uma vez à comunidade internacional quem é o verdadeiro agressor", assinalou o senador.

Victor Bondarev explicou a razão por que EUA vieram falar exatamente sobre este tipo de armas.

"É claro que os EUA justificam o desenvolvimento de armas como de costume: contenção da Rússia. Para quê? As armas nucleares de baixa potência, segundo eles, têm uma utilização limitada. Ou seja, supostamente, as consequências não seriam tão devastadoras, países terceiros não seriam envolvidos, bem como os seus civis".

"Sendo assim, os EUA estudam a possibilidade de usar estas armas até mesmo em conflitos locais, regionais. Contudo, os danos relativamente menores desta arma são ilusórios. Vale destacar que as bombas lançadas sobre Hiroshima e Nagasaki também eram de baixa potência. A sua utilização tirou a vida de quase 250 mil pessoas", ressaltou o senador.

Ele destacou que, a julgar pela potência anunciada da nova ogiva, a sua entrada em serviço ultrapassará as quotas estabelecidas pelo Tratado de Redução de Armas Estratégicas, já que as antigas munições continuarão em serviço operacional do exército dos EUA.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas