Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: Rússia e Turquia decidirão que grupos deixarão zona de Idlib

Rússia e Turquia irão determinar em conjunto quais grupos radicais deverão deixar o território da zona desmilitarizada de Idlib, na Síria, segundo afirmou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, neste domingo.
Sputnik

"Durante negociações sobre Idlib em Sochi, nós decidimos estabelecer uma zona desmilitarizada entre os territórios controlados pela oposição e pelo regime. A oposição permanecerá nos territórios que ela ocupa. Vamos garantir que os grupos radicais, designados em conjunto com a Rússia, não operem na região", disse Erdogan em artigo publicado pelo jornal russo Kommersant

Ainda de acordo com o líder turco, Washington segue atrapalhando o equilíbrio na região com seu apoio às Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG) e ao Partido da União Democrática (PYD) na Síria, considerados adversários de Ancara.

"Infelizmente, vemos que o apoio extraordinário que tem sido prestado recentemente, especialmente pelos Estados Unidos, às forças do YPG e do PYD, continua. Tais …

Senado dos EUA parece estar empurrando Turquia para 'pesadelo da OTAN'

As aspirações do Senado estadunidense de recusar o fornecimento dos F-35 para a Turquia pode acabar sendo um pesadelo para a Aliança Atlântica, pois nesse caso Ancara comprará os equipamentos militares à Rússia, escreve a mídia norte-americana.


Sputnik

"A Turquia já concordou em comprar os sistemas de mísseis russos S-400. Devido a isso, Moscou pode ganhar a possibilidade de ‘penetrar' no sistema defensivo da OTAN, o que seria um pesadelo para a Aliança", escreve o autor do artigo na edição Business Insider.

Caça F-35 Lightning II da Lockheed Martin
F-35 Lightining II © AFP 2018/ Evert-Jan Daniels

O jornalista descreve o S-400 como "uma das mais avançadas plataformas de defesa antimísseis", destinada também para atacar os aviões norte-americanos que contam com a tecnologia furtiva.

No que se trata da decisão dos senadores em relação aos F-35, em vez deles Ancara pode passar a comprar os caças multifuncionais de 5ª geração Su-57. Isto representa uma ameaça séria para a OTAN e particularmente para sua aviação, indica o artigo.

Em uma conversa com o portal, o tenente-general aposentado da Força Aérea dos EUA, David Deptula, observou que os países-membros da Aliança "não querem incorporar os sistemas russos em seu sistema de defesa antiaérea".

Entretanto, o militar não acredita que a Turquia dê preferência aos caças Su-57. Segundo ele, a compra não tem sentido, pois essas aeronaves são incompatíveis com os sistemas da OTAN.

De fato, Deptula manifesta avaliação negativa do novo avião russo, porém, a edição BI frisa que, como provaram as recentes fotos tiradas na última Parada da Vitória em Moscou, este caça é um concorrente direto dos F-22 e F-35 norte-americanos.

"Por isso, caso a Turquia compre os Su-57, seria um cenário terrível para a segurança da OTAN por razões tanto militares quanto diplomáticas", resume o autor da matéria.

Vários dias atrás, o Senado aprovou uma nova versão do projeto de lei sobre a política de defesa, que prevê inclusive descartar a venda dos F-35 para a Turquia. Do ponto de vista de um dos senadores, é perigoso entregar esses aviões para um país que comprou um sistema cujo objetivo é, de fato, abater tais aviões.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas