Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan: Rússia e Turquia decidirão que grupos deixarão zona de Idlib

Rússia e Turquia irão determinar em conjunto quais grupos radicais deverão deixar o território da zona desmilitarizada de Idlib, na Síria, segundo afirmou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, neste domingo.
Sputnik

"Durante negociações sobre Idlib em Sochi, nós decidimos estabelecer uma zona desmilitarizada entre os territórios controlados pela oposição e pelo regime. A oposição permanecerá nos territórios que ela ocupa. Vamos garantir que os grupos radicais, designados em conjunto com a Rússia, não operem na região", disse Erdogan em artigo publicado pelo jornal russo Kommersant

Ainda de acordo com o líder turco, Washington segue atrapalhando o equilíbrio na região com seu apoio às Unidades de Proteção do Povo Curdo (YPG) e ao Partido da União Democrática (PYD) na Síria, considerados adversários de Ancara.

"Infelizmente, vemos que o apoio extraordinário que tem sido prestado recentemente, especialmente pelos Estados Unidos, às forças do YPG e do PYD, continua. Tais …

Trump confirma reunião com Kim Jong-un no dia 12 de junho

Anúncio ocorreu após conversa entre presidente americano e braço-direito de líder norte-coreano na Casa Branca. Encontro acontecerá em Singapura.


Por G1

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, confirmou que se encontrará com o líder norte-coreano Kim Jong-un no dia 12 deste mês em Singapura.

Combinação de fotos mostra o presidente dos EUA Donald Trump e o presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-Un (Foto: Nicholas Kamm/AFP; KCNA via KNS)
Combinação de fotos mostra o presidente dos EUA Donald Trump e o presidente da Coreia do Norte, Kim Jong-Un (Foto: Nicholas Kamm/AFP; KCNA via KNS)

A repórteres no gramado da Casa Branca, ele afirmou nesta sexta-feira (1º) que estaria cometendo um erro se não seguisse adiante na cúpula sobre armas nucleares.

"Acho que provavelmente será um processo muito bem-sucedido", afirmou.

O anúncio ocorreu após uma reunião entre o republicano e o braço-direito de Kim Jong-un, Kim Yong-chol, na residência oficial americana.

A previsão era de que, no encontro, o representante entregasse a Trump uma carta escrita pelo presidente norte-coreano.

Nesta quinta (31), Yong-chol também conversou com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

Encontro histórico

A reunião entre Trump e Kim será a primeira entre líderes em exercício dos Estados Unidos e Coreia do Norte.

Marcado pela primeira vez em março, o encontro havia sido cancelado pelo presidente americano em maio. Ao anunciar a decisão, Trump apontou "enormes raiva e hostilidade" em declarações do líder norte-coreano.

Na ocasião, a Coreia do Norte respondeu dizendo que a decisão não estava "alinhada com os desejos do mundo" e que ainda gostaria de resolver suas questões com os americanos.

Na conversa do próximo dia 12, Trump quer pressionar Pyongyang a desistir de suas armas nucleares. Nesta sexta, ele indicou esperar que várias cúpulas sejam necessárias para resolver todos os problemas pendentes.

A Coreia do Norte, cujas ambições nucleares têm sido uma fonte de tensão há décadas, fez avanços na tecnologia de mísseis nos últimos anos. Os EUA temem o desenvolvimento de mísseis nucleares que poderiam atingir o país.

Em troca da "desnuclearização", Trump promete o alívio de sanções econômicas ao país. "Estou ansioso para o dia em que eu possa tirar as sanções da Coreia do Norte", disse o republicano.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas