Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel concentra mais forças na fronteira com Faixa de Gaza e está pronto a agir

As Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) concentraram mais forças na fronteira com a Faixa de Gaza e estão prontas para usá-las se for necessário, comunica a assessoria da entidade militar.
Sputnik

A decisão foi tomada no decurso da reunião no Estado-Maior e é uma resposta aos combates de ontem (11), que causaram morte de um militar israelense e sete palestinos.


"As IDF aumentaram suas forças no Distrito Sul e estão dispostas, se for preciso, a agir com mais vigor", destaca o comunicado da entidade.

No decurso da operação militar que teve lugar no enclave palestino neste domingo (11) um tenente coronel de uma unidade especial israelense foi morto. Ao mesmo tempo, a parte palestina perdeu sete homens, inclusive um comandante militar. Após os confrontos, os palestinos lançaram 17 mísseis contra o sul de Israel, dois deles foram interceptados pelos sistemas de defesa antiaérea Iron Dome (Cúpula de Ferro).

Foi igualmente informado que, tendo em conta a situação, o prim…

Turquia prende 20 militares acusados de tentativa de golpe

A Polícia da Turquia deteve nesta sexta-feira 20 membros ativos das Forças Armadas com acusações de golpe, enquanto continua a operação, na qual o Ministério Público emitiu ordem de prisão para 38 pessoas.


EFE

Istambul - Todos são acusados de ocupar importantes funções no grupo do teólogo e escritor turco exilado Fethullah Gülen, considerado pelo governo como "terrorista" e atribuir a ele o fracassado golpe de Estado de 2016. Eles ocupavam cargos de comando na Força Aérea e no Exército, de acordo com a agência turca "Anadolu", que não especificou as patentes. Um dos envolvidos, um suboficial da Força Aérea, é acusado de espionagem militar, por supostamente entregar informação a outro membro superior da confraria, que está em prisão preventiva.

EFE/EPA/CEM TURKEL
EFE/EPA/CEM TURKEL

As acusações se baseiam nos depoimentos de outros militares, presos antes, que indicaram os agora detidos como seus superiores na hierarquia da confraria, infiltrada nas Forças Armadas.

Os seguidores de Gülen, até 2013 aliados do presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e do seu partido, o Justiça e Desenvolvimento (AKP), mantiveram durante anos uma presença pública em vários setores civis, da imprensa ao ensino, passando pela Justiça, mas sempre esconderam a afiliação.

A operação, coordenada de Istambul, acontece simultaneamente em 18 províncias.

No último mês, 500 militares da ativa foram detidos com as mesmas acusações. Hoje, 30 oficiais presos há uma semana foram ao tribunal da cidade de Adana.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas