Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Ucrânia reconhece ser vulnerável perante Rússia no mar de Azov

A Ucrânia não tem "nada" para contrapor à frota militar russa no mar de Azov, declarou o vice-ministro da Ucrânia para os "territórios ocupados", Georgy Tuka, em uma entrevista ao canal de televisão ZIK.


Sputnik

"Querem que lhes mostre o zero? As nossas Forças Armadas no mar têm zero. E vocês sabem isso. Não temos nada para contrapor à frota militar russa", disse Tuka.

Navio de mísseis ligeiro Mirazh da Frota do Mar Negro da Rússia em Sevastopol
Navio de mísseis ligeiro russo Mirazh © Sputnik / Vasily Batanov

Ele reagiu assim às palavras do presidente da organização Causa Justa, Dmitry Snegirev, que apelou ao exército ucraniano para "reagir eficazmente" às ações dos militares russos no estreito de Kerch com a ajuda de algumas "elaborações contemporâneas da indústria militar".

A situação do mar de Azov se agravou depois de os serviços fronteiriços ucranianos em 25 de março terem detido o barco da Crimeia Nord, que navegava sob a bandeira da Rússia com dez tripulantes, todos cidadãos russos. No entanto, Kiev os considera cidadãos ucranianos. Dois tripulantes conseguiram voltar à Crimeia através da Bielorrússia, sete foram retirados de um voo destinado a Minsk. O capitão do barco é acusado de "violar os procedimentos de entrada e saída do território temporariamente ocupado da Ucrânia, a fim de causar dano aos interesses nacionais". Ele pode ficar preso por cinco anos.

Em 4 de maio, o navio Ametist, da Guarda de Fronteiras russa, deteve no mar Negro o barco pesqueiro ucraniano YAMK-0041 que pescava ilegalmente barbudo na zona econômica exclusiva da Rússia. Foi aberto um processo criminal contra o capitão do barco por pesca ilegal, e o próprio barco foi detido.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas