Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Venezuela reitera denúncia de planos de agressão a partir da Colômbia

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou hoje a preservar a integridade da nação ao reiterar a denúncia de um suposto plano de agressão a partir da Colômbia.


Prensa Latina
Caracas - 'Devemos estar preparados para garantir a integridade territorial, a oligarquia colombiana pretende gerar um falso positivo para perturbar a paz da Venezuela. 'Ninguém durma em seus louros! Queremos paz com independência, paz com justiça, paz com igualdade. Alerta!', escreveu o governante na rede social Twitter.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro | Reprodução

Ao comemorar ontem o aniversário 197 da batalha de Carabobo, o chefe de Estado alertou que a partir da Colômbia se prepara uma agressão contra a Venezuela, promovida pelo Governo dos Estados Unidos, e que pretendem justificar com falsos positivos.

Maduro precisou que o plano é impulsionado pelos Estados Unidos, em aliança com a oligarquia colombiana e políticos e militares da reserva venezuelanos.

Além disso, chamou a fortalecer a união para proteger a independência, a liberdade, a soberania, a integridade territorial e a autodeterminação nacional, que são direitos irrenunciáveis da nação e estão estabelecidos na Constituição.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas