Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Donetsk declara estar em prontidão de combate para se defender de suposta ofensiva de Kiev

Os destacamentos da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) estão em prontidão de combate total e completamente equipados com todo o necessário para o caso de haver uma possível ofensiva das Forças Armadas da Ucrânia em Donbass, declarou aos jornalistas o vice-comandante da Milícia Popular da RPD, Eduard Basurin.
Sputnik

Anteriormente, Donetsk denunciou a preparação de um grande ataque por parte de Kiev no sul da região de Donetsk com uso de veículos blindados pesados, artilharia e lançadores múltiplos de foguetes.


Segundo dados da inteligência, a ofensiva foi programada para 14 de dezembro com o objetivo final de tomar sob controle a fronteira com a Rússia. O líder da RPD, Denis Pushilin, declarou por sua vez que as forças de Donetsk estavam prontas para repelir o ataque.

"Todas as unidades militares foram colocadas em prontidão de combate total. Desde o momento em que recebemos informação sobre a preparação de uma ofensiva em grande escala do lado ucraniano, os nossos des…

Analista militar comenta planos do Reino Unido de reforçar Marinha no Atlântico Norte

O Reino Unido aumentará sua presença no Atlântico Norte devido ao aumento do poderio da Marinha Russa, informou a mídia. Em entrevista ao serviço russo da rádio Sputnik, o especialista militar Viktor Litovkin, disse que isso não ajudará a obstaculizar os objetivos estabelecidos pela Rússia.


Sputnik

As forças navais britânicas aumentarão sua presença no Atlântico Norte para resistir à ameaça da Rússia, disse o chefe da Marinha Real, almirante Philip Jones, à Sky News.

HNS Bulwark da Marinha da Grã-Bretanha
HNS Bulwark da Marinha da Grã-Bretanha © AP Photo / Ariel Schalit

Segundo o almirante, a criação de uma zona conjunta de operações da OTAN está prevista no Atlântico Norte, o que tornará a região uma área prioritária para o governo britânico e permitirá, de forma mais regular, enviar para esta área navios de guerra e aeronaves. Ele observou que essas ações são uma resposta à crescente ameaça da Rússia, informou o canal de televisão.

"Esta é uma restauração intensificada do poder e da escala, sobre a qual não pensávamos ainda há dez anos. Tivemos que responder a isso", disse Jones, referindo-se ao potencial da Marinha russa e destacando as capacidades da Marinha russa para um posicionamento rápido.

A declaração do almirante britânico ocorreu várias semanas após a declaração dos EUA sobre a restauração da Segunda Frota no oceano Atlântico, também em resposta à "ameaça do lado russo", disse o canal.

Durante uma entrevista, o coronel aposentado Viktor Litovkin comentou as palavras de Philip Jones.

"Agradecemos ao almirante britânico por avaliar tão bem a nossa Marinha. Naturalmente, hoje a nossa frota tem competência considerável para resolver as tarefas que lhe são atribuídas: defender seu território, dissuadir um possível agressor e controlar importantes regiões do mundo. Mas, claro, nossa frota é inferior à dos EUA, que é aliada da Marinha britânica e que opera contra a nossa Marinha, por exemplo, no Atlântico. Entretanto, nós provamos repetidamente nossas vantagens durante o serviço no mar Mediterrâneo. Os navios da Frota do Norte atingiram terroristas no território da Síria, cumprindo esta tarefa com muito sucesso", disse Victor Litovkin.

Ele observou que a Marinha britânica não poderia impedir a nossa atividade militar.

"A Marinha britânica possui apenas quatro submarinos estratégicos, que hoje já estão ficando ultrapassados. Eles precisam ser substituídos, mas o governo não aloca dinheiro para isso. O único porta-aviões britânico, que foi construído recentemente, teve um vazamento e foi necessário que retornasse à base para posterior reparação. Portanto, quando almirantes britânicos dizem que vão monitorar o Atlântico Norte para reprimir as ações de nossa frota [russa], isso parece mais uma presunção para os especialistas militares russos. Apesar de todos os seus esforços, nossos navios e submarinos ainda atravessam o Atlântico Norte, seguem para o Mediterrâneo, e realizam outras tarefas. E, claro, a frota inglesa não poderia impedir nossa atividade militar. Mas quero enfatizar que não tencionamos atacar ninguém. Construímos a nossa Marinha para proteger nossos interesses nacionais, de modo que o almirante está se preocupando em vão", disse o especialista militar.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas