Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

China está desenvolvendo submarinos 'gigantes' com inteligência artificial, diz mídia

Os cientistas chineses estão desenvolvendo um novo submarino não tripulado, equipado com inteligência artificial e capaz de realizar várias tarefas desde reconhecimento até instalação de minas, informou o jornal South China Morning Post, citando um dos participantes do projeto.


Sputnik

Segundo a fonte do jornal, o novo submarino, além de ser inteligente e de grande porte, será bastante barato.

Submarino da Marinha da China durante missão
Submarino chinês © AP Photo / Xinhua, Zha Chunming, File

Planeja-se que tais submarinos sejam enviados principalmente ao mar do Sul da China e ao oeste do Pacífico, áreas disputadas entre Pequim, os países vizinhos e os EUA.

Os novos submarinos autônomos robotizados poderão entrar no serviço já no início da próxima década. O pesquisador citado pelo jornal sublinhou que os submarinos não tripulados não poderão substituir completamente os comuns e não se coloca tal objetivo, mas serão capazes de fazer concorrência a estes.

Os submarinos serão desenhados de modo a serem capazes realizar uma missão sem participação humana: vão sair ao mar, realizar a missão e voltar à sua base conforme o programa.

Ao mesmo tempo, os desenvolvedores sublinham que tais submersíveis têm suas restrições e, no início, realizarão apenas missões mais fáceis. Vale destacar também que a decisão sobre um possível ataque será tomada apenas por operadores humanos, pois nesta questão a inteligência artificial não poderá substitui-los.

Mesmo assim, a inteligência artificial será responsável pela tomada de decisões diversas e complexas, como a mudança de direção e profundidade para evitar vigilância, determinar o tipo de embarcação próxima, escolher a rota mais apropriada até o destino e até realizar ataques suicidas contra embarcações inimigas.

Os futuros drones submarinos serão "gigantes" em comparação com os veículos submarinos não tripulados existentes, diz o cientista chinês, tendo bastante espaço para carregar cargas pesadas, incluindo torpedos, mísseis e equipamento de grande porte.

O projeto está sendo realizado no âmbito de um programa estatal chinês que visa aumentar as capacidades do exército por meio da introdução de inteligência artificial.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas