Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa russa: avião Il-20 foi derrubado por mísseis sírios S-200

De acordo com o ministério russo, o sistema de defesa aérea sírio tentava atacar um avião de Israel. No entanto, a tripulação israelense fez uma manobra especial para se proteger, e o míssil acabou atingindo acidentalmente o avião russo Il-20.
Sputnik

O avião Il-20 desapareceu dos radares em 17 de setembro, por volta das 23h do horário de Moscou, (17h em Brasília) durante o retorno planejado à base aérea de Hmeymim, acima do território do mar Mediterrâneo, a 35 quilômetros da costa da Síria, informou o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia. O represente oficial da Defesa russa, Igor Konashenkov sublinhou que os aviões israelenses "propositalmente criaram uma situação perigosa para navios e aviões nessa região".

Na opinião dele, para evitar o ataque sírio, a tripulação israelense acabou tornando o Ilyushin-20 alvo de ataque.

"Ao tentarem proteger-se com ajuda do avião russo, os pilotos israelenses o puseram debaixo de fogo do sistema de defesa antiaérea da Síria"…

China: ficção científica se torna realidade com fuzil de assalto a laser

Armas portáteis que podem atear fogo em alvos a longas distâncias não estão mais confinadas à ficção científica, mas à realidade, de acordo com pesquisadores


Por Stephen Chen | South China Morning Post | Forças Terrestres

O fuzil de assalto a laser ZKZM-500 é classificado como “não letal”, mas produz um feixe de energia que não pode ser visto a olho nu, mas pode passar pelas janelas e causar a “carbonização instantânea” da pele e dos tecidos humanos.


Dez anos atrás, suas capacidades permaneceriam em filmes de ficção científica, mas um cientista de armas a laser disse que o novo dispositivo é capaz de “queimar a roupa em uma fração de segundo … se o tecido for inflamável, toda a pessoa pegará fogo”.

“A dor será insuportável”, segundo o pesquisador que participou do desenvolvimento e teste de campo de um protótipo no Instituto Xian de Óptica e Mecânica de Precisão na Academia Chinesa de Ciências, na província de Shaanxi.

A arma de calibre 15 mm pesa três quilos, aproximadamente o mesmo que um fuzil AK-47, e tem um alcance de 800 metros, e pode ser montada em carros, barcos e aviões.

Agora está pronta para a produção em massa e as primeiras unidades provavelmente serão entregues aos esquadrões antiterrorismo da Polícia Armada da China.

No caso de uma situação de reféns, ela pode ser usada para disparar pelas janelas dos alvos e neutralizar temporariamente os sequestradores, enquanto outras unidades se movem para resgatar seus prisioneiros.

Também poderia ser usado em operações militares secretas. O feixe é poderoso o suficiente para queimar através de um tanque de gasolina e incendiar a instalação de armazenamento de combustível em um aeroporto militar.

Como o laser foi sintonizado em uma frequência invisível e não produz absolutamente nenhum som, “ninguém saberá de onde veio o ataque. Vai parecer um acidente”, disse outro pesquisador. Os cientistas pediram para não serem identificados devido à sensibilidade do projeto.

Os fuzis serão alimentados por um pacote de bateria de lítio recarregável semelhante aos encontrados em smartphones. Pode disparar mais de 1.000 “tiros”, cada um com duração não superior a dois segundos.

O protótipo foi construído pela ZKZM Laser, uma empresa de tecnologia de propriedade do instituto em Xian. Um representante da empresa confirmou que a empresa está procurando um parceiro que tenha uma licença de produção de armas ou um parceiro na indústria de segurança ou defesa para iniciar uma produção em grande escala a um custo de 100.000 yuans (US$ 15.000) por unidade.

Dado o seu potencial para uso indevido, o design e a produção dos dispositivos serão rigorosamente monitorados e os únicos clientes serão os militares e policiais da China.

Um documento técnico contendo informações básicas sobre a arma foi lançado no mês passado na Plataforma de Serviços Públicos para a Integração Nacional Civil-Militar, um site administrado pelo governo central para facilitar a colaboração entre os setores militar e comercial.

A empresa Chengdu Hengan Police Equipment Manufacturing, um importante fornecedor de hardware para as agências chinesas de aplicação da lei, também lançou uma “metralhadora” a laser no mês passado.

A arma tem um alcance de 500 metros e pode disparar várias centenas de tiros por carga, de acordo com o folheto do produto da empresa.

Apenas uma década atrás, essas poderosas armas a laser eram algo tirado da ficção científica. Em 2009, uma tentativa dos EUA de projetar uma arma a laser portátil resultou em algo que “só funciona em nudistas” porque seu raio era fraco demais para sequer penetrar em uma camisa.

Mas em 2015, Pequim aumentou a aposta com um fundo de dois bilhões de yuans para desenvolver dispositivos a laser compactos e poderosos – um orçamento sem precedentes para o setor e que despertou preocupações nos EUA e em outros países ocidentais.

Nos últimos anos, forças dos EUA que operam em áreas estrategicamente importantes, como o Oceano Índico e o Mar do Sul da China, reclamaram que foram submetidas a um número crescente de ataques a laser de bases militares chinesas ou embarcações que parecem barcos de pesca.

No mês passado, o governo dos EUA registrou uma queixa formal de que um dispositivo a laser disparado de uma base naval chinesa em Djibouti deixou dois pilotos militares com ferimentos nos olhos.

Wang Zhimin, pesquisador associado do Centro de Pesquisa de Física e Tecnologia de Laser da Academia Chinesa de Ciências, disse que os avanços tecnológicos nos últimos anos significaram que os cientistas conseguiram desenvolver dispositivos menores e mais potentes da mesma maneira que os fabricantes de telefones celulares fizeram.

“Isso não é mais ficção científica. Eles já são um fato da vida”, disse ele.

Nos primeiros dias, devido a limites técnicos, era necessário disparar vários feixes e levá-los a convergir em um alvo para causar qualquer dano. Eles também precisavam de uma leitura de distância precisa para ter alguma chance de funcionar.

Além disso, os únicos dispositivos disponíveis eram lentos, volumosos e pesados, tinham um curto alcance e exigiam enormes quantidades de energia.

Mas os dispositivos mais recentes disparam um único feixe e podem causar tantos danos quanto os canhões a laser montados em caminhões teriam feito.

Mas esses desenvolvimentos aumentam o risco de que as armas caiam mais facilmente nas mãos de criminosos e terroristas que poderiam explorar sua capacidade destrutiva, por exemplo, realizando ataques incendiários sem serem detectados.

Wang, que não esteve envolvido no projeto de Xian, alertou que permitir a proliferação dessas armas poderia ser uma ameaça para todos os países.

Não existem protocolos internacionais específicos para regulamentar o desenvolvimento ou uso deste tipo de arma laser.

O Protocolo das Nações Unidas sobre Armas Cegantes a Laser, iniciado em 1980 e assinado por mais de 100 nações, concentra-se em armas de gerações anteriores e proíbe o uso daquelas que poderiam causar perda permanente de visão.

O documento no site do governo chinês classifica o ZKZM-500 como uma “arma não letal”, significando que elas são consideradas menos propensas a matar do que algo explicitamente projetado para isso, como uma arma.

Os lasers não podem matar um alvo com um único tiro, mas se disparados contra uma pessoa por tempo suficiente, as armas começarão a queimar um buraco em seu corpo, cortando-o como uma faca cirúrgica.

Os pesquisadores ressaltam que os cientistas neste campo geralmente concordam que seria desumano usar armas mais poderosas que poderiam “carbonizar” uma pessoa viva.

Em vez disso, o documento enfatiza as aplicações não letais da tecnologia.

Por exemplo, diz que a aplicação da lei poderia combater “protestos ilegais”, ateando fogo em cartazes a longa distância.

Ele também diz que os líderes dos protestos poderiam ser alvo de laser que atearia fogo em suas roupas ou cabelos, o que, segundo o documento, significaria que eles perderiam “os ritmos de seus discursos e poderes de persuasão”.

Mas um policial de Pequim disse que prefere se ater a métodos mais tradicionais de controle de multidões, como gás lacrimogêneo, balas de borracha ou armas de choque elétricas, como os tasers.

“A queimadura a laser deixará uma cicatriz permanente”, disse ele. Ele disse que seria uma “visão horrível” que arriscaria causar pânico ou transformar um protesto pacífico em um motim.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas