Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

China vai enviar bombardeiros para exercícios militares na Rússia (VIDEO)

A força aérea da China enviará bombardeiros estratégicos, aviões de combate e aviões de transporte para a Rússia em julho, enquanto o país tenta desenvolver laços de defesa mais fortes com diversos governos estrangeiros - neste caso, Moscou.


Sputnik

Os chineses Xian H-6K, que patrulham o Mar da China e o Estreito de Taiwan, participarão dos Jogos Internacionais do Exército em 28 de julho no sul da Rússia e partes do Cáucaso pela primeira vez, segundo um porta-voz da força aérea. A China se juntará à Rússia, Bielorrússia, Azerbaijão, Cazaquistão, Armênia e Irã nos jogos de guerra.


Bombardeiro H-6K patrulha o mar do Sul da China
Bombardeiro chinês Xian H-6K © AP Photo / Xinhua

Yue Gang, um coronel aposentado do ELP, disse ao South China Morning Post que o objetivo da China é determinar os pontos fortes e fracos do bombardeiro. "É realmente difícil saber qual é o tamanho da diferença entre a aeronave chinesa e as usadas pelas forças aéreas estrangeiras sem participar de exercícios no exterior como este", disse Yue, acrescentando que a China terá a chance de testá-la contra os "bombardeiros avançados" da Rússia.

O bombardeiro é equipado com mísseis de cruzeiro com um alcance de quase 1.000 milhas e tem um alcance de combate de mais de 2.000 milhas. Foi desenvolvido a partir de um avião originalmente produzido na Rússia: o Tu-16 Badger, que a União Soviética licenciou para a China em 1958.

Depois que os bombardeiros B-52 da Força Aérea dos EUA sobrevoaram o Mar da China Meridional no final de abril, Pequim realizou testes de decolagem e aterrissagem com os H-6Ks na área no mês seguinte, uma medida que Washington condenou por ter potencial para "aumentar as tensões" e desestabilizar a região.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas