Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vídeo mostra momento do encontro do submarino argentino Ara San Juan

Profissionais que operavam um dos veículos submarinos foram os primeiros a ver em tela as imagens da embarcação, que estava desaparecida desde 15 de novembro do ano passado. Submarino foi localizado a 907 metros de profundidade.
Por G1

Um vídeo divulgado neste domingo (18) mostra as primeiras imagens do submarino Ara San Juan, no momento em que profissionais da empresa Ocean Infinity o localizaram. O encontro foi anunciado pela Marinha da Argentina na madrugada de sábado.


No vídeo é possível ver quando a equipe que opera um dos veículos que fazia as buscas vê a embarcação pela primeira vez em uma região de cânions (espécie de rios submarinos), a 907 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia.

O Ara San Juan desapareceu em 15 de novembro de 2017, com 44 pessoas a bordo, e sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma á…

Comitê do Bundestag: campanha da Rússia na Síria é legítima, EUA devem abandonar o país

A intervenção militar da coalizão liderada pelos EUA na Síria é frequentemente criticada pela falta de mandato para conduzir operações militares na República Árabe, ou seja, sem a aprovação de Damasco para fazê-lo.


Sputnik

Um comitê do Bundestag alemão, chefiado pelo político esquerdista Alexander Neu, assinalou que a presença militar russa na Síria é "considerada permissível no âmbito do direito internacional", já que o governo sírio solicitou assistência de Moscou, informou nesta terça-feira (11) o serviço de notícias Tagesschau.

Imagem relacionada
Bundestag | Reprodução

Em particular, Neu destacou que as forças russas estão operando na Síria com "aprovação explícita do governo sírio".

O comitê descreveu o papel atual da coalizão liderada pelos EUA na crise da Síria como mais complicado, assinalando que o fornecimento de armas a combatentes no país era uma possível violação do direito internacional.

Além disso, o político afirmou que a intervenção na Síria para combater o Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países) e outros grupos terroristas é legítima, mas somente caso a própria Síria seja "incapaz ou não estar disposta" a fazê-lo.

Como o exército sírio vem combatendo os terroristas, alguns dos quais têm recebido apoio militar de Washington, o comitê parlamentar destacou que muitos especialistas em direito internacional qualificam a intervenção dos EUA na Síria como injustificável.

Além disso, de acordo com o relatório do comitê do Bundestag, o Daesh foi em grande parte derrotado e não existe mais como uma força militar organizada na Síria, então a "lei de autodefesa da coalizão liderada pelos EUA tem sido cada vez mais difícil de justificar", e os EUA devem considerar o encerramento de sua campanha militar na Síria.

Damasco tem frequentemente condenado as ações da coalizão encabeçada por Washington no seu território, e está particularmente preocupada com a construção de bases militares norte-americanas, que o governo sírio considera como uma violação da soberania do país.

A Rússia começou a efetuar ataques aéreos contra as posições dos terroristas na Síria em setembro de 2015 a pedido do presidente sírio, Bashar Assad.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas