Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Corveta Barroso atenderá a duas operações navais em 55 dias

O Ministério da Defesa da África do Sul liberou alguns dados sobre as duas operações navais multinacionais que terão lugar defronte ao seu litoral, no período de 31 de agosto a 14 de outubro, envolvendo, entre outras unidades, a corveta Barroso (V34).


Por Roberto Lopes | Poder Naval

Ambas as manobras – Atlasur XI e Ibsamar 2018 – são de responsabilidade dos chefes navais sul-africanos, que organizam os exercícios, disponibilizam provisões na Base Naval de Simon’s Town (QG da Força Naval anfitriã), e têm montado um esquema de atendimento a emergências no mar durante a fase operacional.

Corveta Barroso – V34
Corveta Barroso – V34

A primeira dessas manobras será a Atlasur XI que irá se prolongar de 31 de agosto a 21 de setembro e, este ano, reunirá navios das marinhas sul-africana, brasileira e uruguaia.

O tema do exercício – “Combinados estamos combatendo o comércio ilegal (de humanos, drogas e armas)” – gerou a montagem de uma série de ações hipotéticas que vão focar as buscas por embarcações suspeitas de atos ilícitos e o monitoramento desses alvos, além de incursões de abordagem e de ataque apoiadas por navios e aeronaves.

A corveta Barroso levará ao litoral africano um destacamento do GRUMEC, Grupamento de Mergulhadores de Combate da Marinha do Brasil.

O navio sul-africano de pesquisas hidrográficas Protea servirá ao treinamento de forças de elite, que irão simular a invasão do barco para o seu resgaste das mãos de piratas.

A fase marítima da Atlasur terá lugar entre a quinta-feira 6 e o domingo 9 de setembro. Em seguida as operações vão se mover para o litoral oeste sul-africano, de onde retornarão a Simon’s Town, onde acontecerá a cerimônia de encerramento do exercício.

Ibsamar 

A Operação Ibsamar VI terá início no dia 1º de outubro, com forças navais da África do Sul, da Índia e do Brasil, e escopo bem diferente da Atlasur: as manobras de alto-mar que vão envolver técnicas de guerra de superfície, de detecção submarina, vigilância aérea, procedimentos para o engajamento de ameaças que se aproximem pelo ar e guerra eletrônica.

A Ibsamar V foi realizada em 2016, ao largo da cidade indiana de Goa.

Durante a travessia para a África do Sul, a corveta Barroso completará o seu 10º aniversário de incorporação à Marinha do Brasil.

Seu primeiro comandante foi o então capitão de fragata Luiz Roberto Cavalcanti Valicente, atual diretor do Centro de Comunicação Social da Marinha.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas