Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Estados Unidos pretendem colocar armas no espaço 'custe o que custar', diz mídia

Os Estados Unidos querem implantar no espaço,"custe o que custar", armas e sensores espaciais para detectar lançamentos de mísseis, segundo a versão final do orçamento de defesa para 2019, escreve o portal Drive.


Sputnik

Segundo detalha o Drive, o Congresso exige colocar os armamentos no espaço perto da Terra mesmo que isso contradiga a estratégia nacional de defesa antimíssil e a opinião de diversos responsáveis militares estadunidenses.

Um satélite
CC0 / PIRO4D / Satélite

A versão do orçamento de 716 bilhões de dólares (R$ 2.656 bilhões) já foi aprovada por ambas as câmaras e deve agora ser aprovada pelo presidente Donald Trump.

Os sensores entrarão em serviço até 2022 para vigiar certas partes do mundo e países concretos, por exemplo, o Irã e a Coreia do Norte, de acordo com o portal.

Nas décadas anteriores, os Estados Unidos já desenvolveram a Iniciativa de Defesa Estratégica, informalmente conhecida como Star Wars (Guerra nas Estrelas) e anunciada em 1983 pelo então presidente Ronald Reagan. O programa visava garantir a supremacia dos EUA no espaço por meio de instalação de armamentos espaciais, capazes de interceptar mísseis balísticos.

Comentando a aprovação do novo orçamento de defesa americano, a chancelaria russa afirmou que um confronto militar no espaço pode ser tão perigoso quanto a corrida armamentista nuclear.

Comentários

Postagens mais visitadas