Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

EUA negam que planejaram invadir Venezuela, mas não descartam opção militar

Os Estados Unidos negaram hoje que o Governo do presidente Donald Trump chegou ao ponto no ano passado de planejar uma invasão militar da Venezuela, mas reconheceu que a opção continua sendo analisada como uma de muitas possíveis ferramentas para "ajudar o povo venezuelano a recuperar a democracia".


EFE

Washington - "Não houve uma invasão planejada", disse à Agência Efe um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca (NSC, em inglês), órgão encarregado de centralizar a política externa, militar e de inteligência de Washington.

EFE/Yuri Gripas
EFE/Yuri Gripas

A fonte ressaltou, apesar disso, que os EUA vão continuar considerando "todas as opções que tem disponíveis", incluindo a via militar, "para ajudar o povo da Venezuela".

O porta-voz, que pediu o anonimato, reagia assim aos relatórios de imprensa divulgados nesta quarta-feira, segundo os quais Trump levantou em agosto do ano passado com alguns de seus principais assessores a possibilidade de invadir a Venezuela.

A fonte confirmou que Trump perguntou pela via militar, mas disse que o que queria era "pedir opções" para a equipe a fim de ter um leque entre o que escolher em relação ao "desastre humanitário que estava acontecendo na Venezuela".

"Perguntou sobre a opção militar, sobre a ajuda humanitária, sobre as sanções, sobre a cooperação internacional contra o regime (do presidente venezuelano, Nicolás) Maduro. Foi uma (opção) dentro de uma série de coisas diferentes", explicou o porta-voz.

O funcionário não esclareceu se houve conversas sérias sobre a possibilidade de uma invasão.

"O importante é que os EUA não fizeram ações militares por enquanto na Venezuela, embora vão continuar considerando todas as opções, porque nenhum Governo americano as descartaria em uma situação como a do país sul-americano", insistiu.

O porta-voz qualificou algumas informações que surgiram na imprensa sobre o tema de "sensacionalistas", porque chegam muitos "meses depois do episódio e se centram apenas em uma das opções" que os EUA consideraram, sem fixar-se na sua atuação na prática.

"O presidente Trump motivou a comunidade internacional para que trabalhe unida para pressionar a ditadura de Maduro a fim de mudar o seu comportamento autocrático", disse o porta-voz.

A fonte destacou as sanções internacionais impostas ao Executivo de Maduro e os US$ 30 milhões em ajuda humanitária que os EUA concederam para os refugiados venezuelanos na região.

Comentários

Postagens mais visitadas