Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Donetsk declara estar em prontidão de combate para se defender de suposta ofensiva de Kiev

Os destacamentos da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) estão em prontidão de combate total e completamente equipados com todo o necessário para o caso de haver uma possível ofensiva das Forças Armadas da Ucrânia em Donbass, declarou aos jornalistas o vice-comandante da Milícia Popular da RPD, Eduard Basurin.
Sputnik

Anteriormente, Donetsk denunciou a preparação de um grande ataque por parte de Kiev no sul da região de Donetsk com uso de veículos blindados pesados, artilharia e lançadores múltiplos de foguetes.


Segundo dados da inteligência, a ofensiva foi programada para 14 de dezembro com o objetivo final de tomar sob controle a fronteira com a Rússia. O líder da RPD, Denis Pushilin, declarou por sua vez que as forças de Donetsk estavam prontas para repelir o ataque.

"Todas as unidades militares foram colocadas em prontidão de combate total. Desde o momento em que recebemos informação sobre a preparação de uma ofensiva em grande escala do lado ucraniano, os nossos des…

EUA precisam de 'ameaça russa' para financiar Pentágono, diz analista

Os EUA alegam a existência de uma "ameaça terrível" por parte da Rússia, em particular na esfera de cibersegurança, com o objetivo de exercer influência sobre as decisões em relação ao financiamento do Pentágono e dos serviços de inteligência norte-americanos, opina o especialista militar Aleksei Leonkov.


Sputnik

Anteriormente, foi declarado que no Cibercomando dos EUA foi criado um grupo de trabalho especial para enfrentar a Rússia na esfera da cibersegurança. Conforme o general Paul Nakasone, que estabeleceu o comando, a Rússia possui grandes capacidades no ciberespaço às quais "teremos que fazer frente" e "se isso acontecer, sem dúvida que o faremos".

Crime cibernético de hackers
CC0 / Pixabay

"O fato de os EUA terem criado um grupo para fazer frente à Rússia em cibersegurança não é surpreendente. Eles classificam as guerras no ciberespaço como guerras híbridas que representam ameaça para os países-membros da OTAN. A Rússia na verdade tem vindo a analisar as questões de cibersegurança. Os norte-americanos, valendo-se da russofobia e de acusações infundadas à Rússia, tentam influenciar aqueles que contribuem para o orçamento do Pentágono e da comunidades de inteligência. Com este fim traçam uma 'ameaça terrível' por parte da Rússia", disse Leonkov.

Conforme notou o especialista, o problema dos hackers tem um caráter internacional, já que os hackers não têm vínculos a um país particular. Por isso, não se pode acusar de ciberataques nenhum Estado sem provas, é necessário analisar e dialogar com base em provas.

De acordo com Leonkov, a Rússia tem dito isso repetidamente e exigiu que os EUA apresentassem provas do envolvimento de alegados "hackers russos" em ciberataques no território americano. Mas tais provas nunca foram apresentadas.

"É mau porque tais acusações infundadas começam a fazer parte de documentos sérios. De tal modo, a mentira ganha um caráter oficial e os EUA podem usar tais documentos para justificar as suas ações contra a Rússia", acrescentou o analista.

O reforço da proteção na área de cibersegurança foi adotado nos EUA em meio às acusações de envolvimento da Rússia nas eleições presidenciais em 2016 e tentativas de intervir nas futuras eleições para o Congresso em 2018.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas